EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

EUA: Hillary recupera nas sondagens após três dias de baixa

EUA: Hillary recupera nas sondagens após três dias de baixa
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Hillary Clinton tenta dissipar a polémica sobre o seu estado de saúde, ao transformar os três dias de baixa num argumento de campanha.

PUBLICIDADE

Hillary Clinton tenta dissipar a polémica sobre o seu estado de saúde, ao transformar os três dias de baixa num argumento de campanha.

A candidata presidencial Democrata retomou a corrida, com um comício na Carolina do Norte, lembrando que, “nem todos os americanos têm a possibilidade de interromper o trabalho por razões de saúde”.

A candidata democrata garantiu que não vai abandonar a corrida:

“Eu confesso que não sou tão espetacular quanto o meu rival, e não tenho problemas em admiti-lo. Basta ver o espetáculo dele em torno do seu estado de saúde. E ainda digo mais, sou acusada de todo o tipo de coisas, mas ninguém pode acusar-me de ser uma desistente. Eu não vou abandonar a corrida, por mais difícil que seja”.

Hillary tinha interrompido a campanha no domingo na sequência de uma pneumonia, segundo um diagnóstico médico publicado um dia depois de ter abandonado um evento público em Nova Iorque, oficialmente após uma insolação.

Uma situação que levou o rival Donald Trump a revelar o seu boletim médico, durante um programa de televisão.

Os dois candidatos foram assim considerados clinicamente aptos para assumirem a presidência, segundo os respetivos médicos, quando Hillary recupera igualmente nas sondagens, com uma vantagem de 2% relativa a Trump (43%-41% segundo Poll of Polls/CNN ).

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Robert de Niro chama "palhaço" a Donald Trump à porta do tribunal

Biden apela à libertação de jornalistas no jantar dos correspondentes de imprensa

Mike Pence: "A maioria dos norte-americanos acredita no nosso papel de líderes do mundo livre"