Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Último discurso de Obama nas Nações Unidas apela à cooperação global

Último discurso de Obama nas Nações Unidas apela à cooperação global
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

No oitavo e último discurso como Presidente dos Estados Unidos na Assembleia Geral das Nações Unidas, Barack Obama começou pelo progresso dos últimos 8 anos, mas a tónica recaiu num mundo dividido entre os que avançam em cooperação e integração e os que recuam para a divisão e isolacionismo.

Obama não duvida: o caminho é avançar e não recuar: “Temos de imaginar o que seria para a nossa família, os nossos filhos, se o indescritível acontecesse connosco. E deviamos perceber todos que em última análise o nosso mundo seria mais seguro se estivermos preparados para ajudar os que precisam.”

Para além do reconhecimento de que a globalização ignora bastas vezes a tendência para a desigualdade, sublinhou o contraste na opção entre liberalismo e autoritarismo: “Se a Rússia continuar a interferir nos assuntos dos países vizinhos, pode ser popular internamente, pode acender por um bocado o fervor nacionalista, mas ao longo do tempo vai também afectar a reputação e tornar as suas fronteiras menos seguras.”

O papel de ser um melhor exemplo para democracias recentes cabe aos Estados Unidos e os que acreditam na democracia enquanto países devem ter voz firme, uma vez que “quer os factos, quer a história, estão do nosso lado”, disse.

“Ainda que o “populismo continue a ser exportado além mares”, Obama afirmou que não será a construção de muros a proteger as sociedades civis”:http://portocanal.sapo.pt/noticia/101939.