Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Fed: Yellen defende-se das acusações de Trump

Fed: Yellen defende-se das acusações de Trump
Tamanho do texto Aa Aa

As decisões da Reserva Federal (Fed) assentam exclusivamente em fatores económicos e não em considerações políticas. Foi esta a resposta de Janet Yellen ao candidato presidencial republicano, Donald Trump, que acusa a Fed de agir de forma politizada – ao não subir as taxas diretoras – para favorecer os democratas.

Após referir que a Fed optou por “esperar por mais dados” antes de subir as taxas de juro de referência, que se mantém entre 0,25% e 0,5%, a presidente do banco central afirmou que “a Reserva Federal não tem compromissos políticos. Não discutimos política nas nossas reuniões. Não me lembro de qualquer reunião em que a política fosse objeto de discussão”.

Apesar do desemprego nos Estados Unidos ter caído de 10% – em outubro de 2009 – para 4,9% – em agosto – e de, no último ano, estarem a ser criados empregos a um ritmo superior a 200 mil postos de trabalho por mês, Trump promete rever “todos os regulamentos e ordens executivas do Presidente Obama”.

Para Hillary Clinton, os comentários de Trump sobre uma alegada politização da Reserva Federal são mais um argumento para justificar porque é que o candidato republicano não deve ser o próximo presidente dos Estados Unidos.

Yellen, que dirigiu o Conselho de Assessores Económicos do Presidente Bill Clinton, afirmou, na conferência de imprensa desta quarta-feira, que quer “liderar uma instituição que não é política” e que todos na Reserva Federal se esforçam por alcançar os objetivos de “estabilidade nos preços e de um máximo de emprego”.

Nomeada por Barack Obama para substituir Ben Bernanke à frente da Reserva Federal, Janet Yellen sabe que será destituída da presidência do banco central caso Donald Trump chegue à Casa Branca.