Socialistas espanhóis à beira da implosão

Socialistas espanhóis à beira da implosão
Direitos de autor 
De  João Peseiro Monteiro com El País, El Mundo
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A contestação a Pedro Sánchez atingiu o zénite com a demissão de 17 elementos da comissão executiva federal com o propósito de fazer cair o secretário-geral do PSOE

PUBLICIDADE

Os socialistas espanhóis estão à beira da implosão. A contestação a Pedro Sánchez atingiu o zénite com a demissão de 17 elementos da comissão executiva federal com o propósito de fazer cair o secretário-geral do PSOE. Mas os apoiantes de Sánchez recusam a dissolução deste órgão e começaram a preparar o próximo congresso extraordinário, o que os opositores rejeitam.

Para Verónica Pérez, a presidente do Comité Federal do PSOE, “quando o secretário-geral de uma comissão executiva se demite ou quando mais de metade dos seus membros se demitem, a comissão dissolve-se imediatamente”.

O braço-de-ferro no seio do PSOE tem como pano de fundo a crise política espanhola. O país está com um governo de gestão há dez meses e arrisca-se a ir à urnas pela terceira vez num ano.

Pedro Sánchez é acusado de colocar o partido num buraco – além de perder as eleições nacionais em dezembro e em junho, viu agora o PSOE obter os piores resultados nos sufrágios autonómicos da Galiza e do País Basco.

Os críticos apontam também o dedo a Sánchez por não viabilizar, com uma abstenção, um governo minoritário de Mariano Rajoy. O que daria tempo ao partido para se reorganizar

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Um arquiteto juntou-se a 17 famílias e nasceu a primeira cooperativa de habitação em Madrid

Só em janeiro, Canárias receberam mais migrantes do que na primeira metade de 2023

Vinícius Júnior, jogador do Real Madrid, não conseguiu conter as lágrimas ao falar de racismo