Última hora

Última hora

Sudão acusado de ter utilizado armas químicas contra civis no Darfur

Sudão acusado de ter utilizado armas químicas contra civis no Darfur
Tamanho do texto Aa Aa

O exército sudanês terá recorrido a armas químicas para tentar esmagar a revolta dos rebeldes numa das regiões mais remotas da província do Darfur.

Segundo a Amnistia Internacional, mais de 250 pessoas, a maioria civis, terão morrido na sequência de trinta bombardeamentos com agentes químicos na zona de Yebel Marra.

A organização recorreu a imagens de satélite e entrevistas com centenas de sobreviventes para denunciar os ataques.

Segundo Tirana Hassan, uma das responsáveis pela investigação,

“A única diferença entre o que aconteceu em 2004 e o que está a acontecer hoje é que o mundo deixou de ver o que se está a passar no Darfur. Os abusos cometidos pelo governo sudanês sobre a população civil são tão graves como em 2004. E precisamos de ter uma mobilização à altura do que exige esta crise”.

As autoridades sudanesas negam as acusações afirmando não dispôr de armas químicas no seu arsenal.

A denúncia surge depois do governo sudanês ter lançado uma nova ofensiva sobre os rebeldes do Exército da Libertação do Sudão em Janeiro.

A Organização para a Proibição de Armas Químicas deverá analisar o caso durante a próxima reunião, em Haia, no dia 11 de Outubro.

Segundo a Amnistia Internacional outros 357 civis terão sido assassinados pelas forças governamentais nos últimos seis meses.

O Darfur é palco há mais de uma década de um conflito entre rebeldes e governo responsável por mais de 300 mil mortos e 2.7 milhões de refugiados.