Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

António Guterres: Secretário-geral da ONU a partir de janeiro

António Guterres: Secretário-geral da ONU a partir de janeiro
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A imprensa portuguesa foi unânime a saudar o anúncio do quase consenso no Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre a escolha de António Guterres para suceder a Ban-Ki-Moon como secretário-geral da ONU
.
E as reações políticas também não se fizeram esperar logo apó o anúncio por parte do embaixador russo na ONU, Vitaly Churkin, após a última votação, na quarta-feira:
“Bom, senhoras e senhores, estamos a testemunhar um momento histórico. Não sei se isto aconteceu alguma vez na história das Nações Unidas”, afirmou Churkin, rodeado dos representantes dos 15 países membros permanentes do conselho.

"Estamos a testemunhar um momento histórico. Não sei se isto aconteceu alguma vez na história das Nações Unidas"

Vitaly Churkin Embaixador da Rússia na ONU

O facto de as principais potências, incluindo a Rússia e os Estados Unidos, se terem aliado no apoio ao ex-primeiro-ministro português revela a confiança que é depositada nele, num momento em que alguns queriam escrever a História pela escolha da primeira mulher para o cargo.

Guterres é um homem com bastante experiência no funcionamento da máquina das Nações Unidas. Após ter deixado a chefia do governo português em 2001, ocupou durante dez anos, o posto de Alto Comissário para os Refugiados onde deixou uma marca bastante positiva.

No Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), António Guterres incarnou a mudança com uma reforma crucial que reduziu drasticamente o número de funcionário nos gabinetes em Genebra e aumentou consideravelmente o número de meios humanos no terreno para acudirem às inúmeras crises humanitárias com que o planeta se debateu na última década.

Enquanto Alto Comissário, Guterres viria por duas vezes à antena da Euronews. Numa das entrevistas, em resposta à pergunta sobre os conselhos que daria ao seu sucessor no ACNUR, afirmou:

“É absolutamente essencial não só responder às grandes urgências que, infelizmente, se multiplicam no mundo – onde as relações de poder são pouco claras, e a imprevisibilidade e a impunidade fazem parte do jogo -,mas também lembrarmo-nos de todos aqueles de quem ninguém fala”.