Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Clinton deve "deixar passar tempestade Trump e colher benefícios"

Clinton deve "deixar passar tempestade Trump e colher benefícios"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Catherine Hardy, euronews: “Para discutir o debate incendiário entre Hillary Clinton e Donald Trump, falamos com o nosso correspondente em Washington, Stefan Grobe. Foi descrito como um debate venenoso e Trump não conteve os golpes. Há um consenso nos Estados Unidos acerca de quem venceu?”

Stefan Grobe: “Venenoso é o mínimo que podemos dizer. Tratou-se de um baixo nível sem precedentes. Imaginemos se, em qualquer república das bananas, um candidato tivesse dito a outro, num debate televisivo: ‘Vou pôr-te na cadeia!’… O Departamento de Estado dos Estados Unidos teria chamado a ONU para enviar observadores eleitorais. Nunca vi Trump tão agressivo durante este ciclo eleitoral. Será que isso o ajudou? Provavelmente não. Segundo o que indicam as primeiras sondagens, a maioria dos norte-americanos vê Clinton como a clara vencedora deste debate.”

CH: “À medida em que nos dirigimos para o terceiro debate, pensas que estes encontros dramáticos, apesar de serem divertidos, terão no final algum efeito sobre o resultados das eleições de 8 de novembro?”

SG: “Acho que não… Penso que Trump não pode descer mais baixo ou ser mais agressivo do que no segundo debate e, mesmo que o faça, provavelmente não terá efeito na balança. A campanha de Trump está agora a revelar-se e ele precisa desesperadamente de fazer incursões no eleitorado… Precisa de conquistar democratas e independentes e, sobretudo, mulheres, onde perde para Clinton por 20, 23 ou 30 pontos. Dados os seus mais recentes comentários, durante o fim-de-semana, não vejo como possa fazê-lo e, se nada mudar até ao dia das eleições, ele vai perder. A Hillary Clinton fez tudo o que precisava de fazer neste segundo debate: manteve-se calma e estóica, contando simplesmente o passar dos minutos. É precisamente aquilo que precisa de fazer: parecer presidencial e deixar passar a ‘tempestade’ Trump, para colher depois os benefícios.”

CH: “Tudo está ainda em jogo no último mês. Obrigado Stefan, pela análise desde Washington”.