Última hora
This content is not available in your region

UNESCO aprova resolução polémica sobre Jerusalém Oriental contestada por Israel

Access to the comments Comentários
De  Miguel Roque Dias com AFP; Lusa; EFE
euronews_icons_loading
UNESCO aprova resolução polémica sobre Jerusalém Oriental contestada por Israel
Tamanho do texto Aa Aa

A UNESCO aprovou, formalmente, esta terça-feira, a resolução sobre a proteção do património cultural e religioso em Jerusalém Oriental, apresentada por países árabes e contestada por Israel.

Esta nobre organização foi criada para preservar a história e não para a reescrever.

Carmel Shama-Hacohen Embaixador de Israel na UNESCO

O texto foi aprovado pelos 58 Estados-membros do conselho executivo da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura.

Para Israel, o documento nega o laço milenar entre os judeus e a cidade

“Não vamos negociar e não vamos participar neste jogo feio. Não há lugar para esses jogos aqui na UNESCO. Esta nobre organização foi criada para preservar a história e não para a reescrever”, afirmou o embaixador de Israel na UNESCO, Carmel Shama-Hacohen.

A adoção ocorreu na quinta-feira pela comissão, com 24 votos a favor, 6 contra e 28 abstenções e provocou a suspensão da cooperação entre Israel e a agência.

Já os palestinianos, saudaram o resultado.

Para o vice-embaixador da Palestina na UNESCO, Mounir Anastas, “esta resolução apenas lembra a Israel que é a potência ocupante em Jerusalém Oriental e pede-lhe para parar com todos os seus abusos, em especial, nas áreas de competência da UNESCO.”

Israel rejeita o texto da resolução pois refere-se, sempre, à Esplanada das Mesquitas, o terceiro lugar mais sagrado do Islão, atrás de Meca e Medina, como “al-Buraq”, o nome árabe, e nunca como Monte do Templo, onde fica o Muro das Lamentações, o lugar mais sagrado do judaísmo.

Jerusalém Oriental, a parte palestiniana da cidade, foi ocupada em 1967 e depois anexada por Israel, o que a ONU considerou ilegal. Na zona situa-se a parte antiga da cidade e as suas muralhas, um conjunto inscrito na lista do património mundial da UNESCO.

Por herança histórica, a Jordânia é o administrador da Esplanada, mas Israel controla todos os acessos.