Última hora

Última hora

Eleição de Michel Aoun põe fim ao impasse político no Líbano

Eleição de Michel Aoun põe fim ao impasse político no Líbano
Tamanho do texto Aa Aa

O Líbano vive um vazio institucional há dois anos. No dia 23 de abril de 2014, o parlamento falhou a primeira tentativa de eleger um novo presidente da república para substituir Michel Suleiman, cujo mandato terminava a 25 de maio. O maronita Samir Geagea não consegue a maioria de dois terços necessária.

Segundo o Pacto Nacional – que exige a partilha do poder entre as comunidades religiosas -, o presidente da república deve ser um cristão maronita; o presidente do parlamento, um xiita e o primeiro-ministro, um sunita.

Ao longo dos dois últimos anos, o parlamento libanês tentou por 45 vezes alcançar os dois terços necessários para a eleição – 86 dos 128 deputados – sem sucesso. Em cada tentativa, os 20 eleitos do bloco parlamentar de Michel Aoun e os 13 do Hezbollah boicotaram a sessão.

O país mergulhou numa crise política e numa paralisia institucional que se reflete na gestão de todos os serviços. Por exemplo, o lixo acumula-se nas ruas há meses, deixando as populações num estado de exasperação total.

Desde janeiro último, começaram a surgir sinais de baixa da tensão política, quando Samir Geagea manifesta o apoio ao seu rival – também maronita – Michel Aoun.

Mas foi a decisão de Saad Hariri de apoiar Aoun, anunciada no dia 20 de outubro, que abriu a porta ao fim do impasse. Hariri é líder da comunidade das forças anti-sírias e da comunidade sunita apoiada pela Arábia Saudita.

Na oposição, o líder xiita, Hassan Nasrallah, responsável do todo poderoso Hezbollah pro-sírio e pro-iraniano, manifestou também o seu apoio a Aoun no dia 23 de outubro.

Mas quem acaba por ganhar com a candidtura de Aoun? O analista político, Nabil Boumensef, do jornal An-Nahar, explica:
“O Líbano já não é uma prioridade para a Arábia Saudita e a Arábia Saudita já não apoia os seus aliados no Líbano, o que levou ao enfraquecimento da posição do seu principal aliado no país – o antigo primeiro-ministro Hariri”.

Saad Hariri conta encabeçar o governo na sequência da eleição de Michel Aoun e todos os analistas estão de acordo que o momento da verdade para o Líbano chegará após a eleição do presidente, que terá os seus poderes enfranquecidos. É a rapidez com que se formará o novo governo que indica se o país ultrapassa ou não esta crise política.