França: Polícia desmantela o maior acampamento de refugiados de Paris

França: Polícia desmantela o maior acampamento de refugiados de Paris
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A polícia francesa prossegue as operações para desmantelar os campos de imigrantes no país.

PUBLICIDADE

A polícia francesa prossegue as operações para desmantelar os campos de imigrantes no país.

Depois de Calais, na semana passada, as autoridades inciaram esta manhã o desmantelamento do maior campo clandestino em Paris, que alberga cerca de 3 mil pessoas.

Mais de 600 polícias, 250 voluntários e 30 autocarros participam na operação que deverá transferir os refugiados, na sua maioria sudaneses e afegãos, para campos temporários em todo o país.

Encore beaucoup d'agitation. Les CRS demandent à tout le monde de s'asseoir. #Stalingradpic.twitter.com/8A7mxCUybR

— Pierre Tremblay (@tremblay_p) November 4, 2016

#Stalingrad Les premières pelleteuses enlèvent les tentes pic.twitter.com/IxIqQnWoSK

— Charlotte Boitiaux (@chaboite) November 4, 2016

A operação, que deverá prolongar-se ao longo do dia, iniciou-se sem incidentes.

Desde a evacuação da chamada “selva” de Calais, que centenas de migrantes tinham procurado refúgio nesta instalação em Paris, no bairro de Stalingrado.

As operações ocorrem a dias da Câmara Municipal de Paris inaugurar o primeiro centro de migrantes oficial da capital francesa.

A instalação temporária, com uma capacidade para acolher entre 400 e 600 pessoas, tem por objetivo evitar os acampamentos clandestinos na cidade.

Une femme de l'association "Une chorba pour tous" très émue alors qu'un car de migrants prend la route #Stalingrad@LCIpic.twitter.com/UR9DAMSCBS

— Youen Tanguy (@Youen_Tanguy) November 4, 2016

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Esfaqueamento mortal em Paris, agressor estava "zangado" com "o que está a acontecer em Gaza"

As luzes de Natal já brilham nos Campos Elísios

Fórum de Paris para a Paz: é preciso "repensar a nossa abordagem" diz Secretário-geral da ONU