Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Vinho "made in" Reino Unido

Vinho "made in" Reino Unido
Tamanho do texto Aa Aa

O Outono está a terminar e também está na altura das últimas vindimas. Mas esta reportagem nada tem a ver com provas de vinhos. Vamos verificar factos e números sobre uma das grandes questões sobre o planeta: será que as alterações climáticas globais já estão a caminho? Em Sussex, perto do mar, visitámos a vinha Rathfinny Wine Estate: 72 hectares de vinho já estão plantados e seguem-se mais 70, em breve. Em 2020 esta será a maior vinha do Reino Unido.

As alterações climáticas são reais.

Alistair Nesbitt

Há meio século, a temperatura média durante a estação de crescimento no sudeste da Inglaterra era de 12,5 graus Celsius. Hoje é de quase 14 graus. O aquecimento global acelera e provoca alterações: durante a última década, a área de vinha no Reino Unido aumentou cerca de 150%.

Há apenas alguns anos, Mark Driver geria milhões de euros. Em 2009 deixou a “city” de Londres e começou a questionar-se onde deveria investir o dinheiro. Trocou o fato completo por roupas desportivas e investiu dez milhões de libras – até agora – para construir uma nova vinha: “há 2 mil anos os romanos estavam a apenas dois quilómetros daqui. Tinham uma grande villa romana que teria vinhas… Depois começámos a produzir cerveja… As vinhas começaram a ser plantadas novamente em Inglaterra nos anos 50, 60 e 70. Com os benefícios das alterações climáticas, agora estão a ser plantadas muito mais vinhas em Inglaterra.”

É um longo caminho até ao sucesso, mas as perspetivas são boas: Rathfinny está a par com a região francesa de Champagne. As pessoas das vindimas estão bastante entusiasmadas com as mudanças em curso. “…É impensável. Viajei por África, Austrália e provei vinhos nestes locais…Trazer as vinhas para aqui para o Reino Unido é realmente surpreendente. É ótimo, mas bastante surpreendente… Vivo já ali atrás das colinas e aqui costumavam existir quintas de gado – a pecuária e a agricultura – tudo mudou radicalmente”, diz David White.

Mark voltou a estudar – abriu os livros sobre como fazer bom vinho. Estudou os solos, as técnicas e a paciência necessária. Se tudo der certo, pode colocar um milhão de garrafas no mercado em 2025.

“Temos registos meteorológicos com mais de 100 anos – avaliando estes registos nos últimos 25 ou 30 anos é possível ver um aumento da temperatura média anual. Agora há uma maior possibilidade de amadurecer as uvas até ao nível correto, de obter o nível certo de açúcar, a acidez e o equilíbrio certos – para fazer um ótimo vinho espumante”, acrescenta Mark Driver.

Encontrámos Hannah e Ben, em Earsham, um casal que aprendeu tudo sobre vinificação na região francesa de Beaujoulais – onde viveram durante dois anos. Antes disso, viajaram pelo mundo das vinhas, colheram uvas na Califórnia e na Grécia e passaram pela Argentina, Chile, Africa do Sul, Nova Zelândia ou Austrália… Como escolher o melhor local para uma vinha? – Foi o que perguntámos a Ben: “é preciso que seja um local de baixa altitude, idealmente perto da costa, para diminuir o risco de geada… Embora a maturação e os níveis de açúcar não sejam tão elevados como nalguns climas mais quentes, podemos ter muito mais desenvolvimento de sabor. Assim sendo, os fenóis, a acidez e todos os compostos do aroma podem desenvolver-se e fazer um produto muito aromático e saboroso.”

Ben trabalhava em Tecnologias da Informação e Hannah na indústria do Turismo. Investiram todas as poupanças nesta nova aventura, complementada por um subsídio da União Europeia. Estão a viver o sonho da sua vida.

Na Universidade de East Anglia encontrámos Alistair Nesbitt. Fez algumas investigações aprofundadas sobre como as alterações climáticas afetam a viticultura no Reino Unido: “Ao longo dos últimos 10/15 anos assistimos a um aumento das vinhas, principalmente no sudeste de Inglaterra. Nos próximos dez anos ou mais é provavel que as vinhas se propaguem por diferentes zonas – por zonas de cultivo tradicionais, como em East Anglia.”

Alasdair percorre o país para apoiar pioneiros como Ben – com a sua contribuição científica. O investigador recolhe dados sobre a temperatura, o vento e os níveis de humidade. Perguntámos-lhe se confirma o fenómeno das alterações climáticas: “as alterações climáticas são reais… Vemos isso nas vinhas agora e nos dados recolhidos há 60 anos: a temperatura está a aumentar… Normalmente a uma escala de um grau durante a época de crescimento. Pode não parecer muito, mas é algo muito significativo no que toca à capacidade de cultivar ou não cultivar vinhas…”; conclui Alistair Nesbitt.

Insiders: Climate change in the UK