EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Colômbia: Governo e FARC selam novo acordo de paz em Havana

Colômbia: Governo e FARC selam novo acordo de paz em Havana
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O governo colombiano e a guerrilha das FARC selaram um novo acordo de paz, em Havana, seis semanas após o chumbo do primeiro entendimento em referendo.

PUBLICIDADE

O governo colombiano e a guerrilha das FARC selaram um novo acordo de paz, em Havana, seis semanas após o chumbo do primeiro entendimento em referendo.

O novo documento integra as críticas da oposição, prevendo mais indemnizações para as vítimas e menos financiamento para o novo partido das FARC, sem rever o cessar-fogo, o desarmamento e a inclusão na vida política dos ex-guerrilheiros.

Segundo o negociador do governo colombiano, Humberto de la Calle,

“O acordo de 26 de setembro era o melhor possível, mesmo que tenha sido alvo de críticas. Era o melhor pois permitia pôr fim ao conflito, mesmo que pudesse gerar alguma frustração. Mas hoje reconheço com humildade que este novo acordo é melhor pois soluciona a maioria das críticas e frustrações”.

Para o negociador das FARC, Iván Márquez, o novo entendimento representa um triunfo da paz.

“Relativamente à jurisdição especial para a paz, o novo texto incorpora 65% das propostas dos diferentes campos que votaram NÃO no referendo”.

O novo acordo só deverá entrar em vigor depois de ser submetido às associações de vítimas, que contestavam a amnistia acordada aos guerrilheiros ou a possibilidade de serem eleitos para o parlamento.

O entendimento, que valeu o prémio Nobel da Paz ao presidente colombiano Juan Manuel Santos, põe fim a mais de meio século de conflito entre a guerrilha e o governo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Novos ataques aéreos israelitas em Gaza fazem pelo menos 100 mortos

Organizadores da COP 28 estão otimistas

Apoios de União Europeia e Estados Unidos à Ucrânia em risco