Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Jogo eletrónico ajuda luta contra a demência

Jogo eletrónico ajuda luta contra a demência
Tamanho do texto Aa Aa

Parece um jogo como todos os outros, mas cada vez que alguém consegue manobrar este barco evitando as rochas ou o levar para uma praia, há informações importantes que estão a ser enviadas aos pesquisadores, sobre o cérebro do jogador.

Desde que foi lançado em maio, quase dois milhões e meio de pessoas já jogaram Sea Hero Quest – O resultado é um total de 63 anos de jogo ou o equivalente a 9400 anos de pesquisas de laboratório nesta ária, segundo os criadores do jogo e os cientistas na origem deste estudo. A pesquisa mostra que o reconhecimento espacial humano, algo crucial para se perceber a demência, começa a ser afetado no início da idade adulta.

A demência é uma doença que rouba as memórias às pessoas. Por isso, os criadores do jogo decidiram centrar a história numa pessoa de idade que está a perder as memórias. O homem e o filho viajaram por todo o mundo num barco e conheceram todo o tipo de criaturas. À medida que o homem envelhece, começa a estar afetado pela demência, as memórias começam a falhar e o filho começa a desenhar figuras num diário, para lembrar ao pai as coisas que viram juntos. No jogo, é preciso relembrar os passos.

De um ponto de vista científico, o que se quer com o jogo é ver o que as pessoas fazem sem serem influenciadas e criar, ao mesmo tempo, uma grande amostra aleatória: “Isto vai permitir aos médicos, no futuro, desenvolver uma ferramenta de diagnóstico. Uma pessoa vai poder fazer um teste para aferir o nível do sentido de direção, ter uma classificação no teste e depois comparar o resultado com esta grande amostra de dois milhões e 400 mil pessoas. Aí vamos poder ver onde cada pessoa se situa, se o desempenho está entre os muito bons ou no fim da tabela”, diz o cientista Hugo Spiers.

A informação gerada pelas dois milhões e 400 mil pessoas que jogaram o jogo constitui uma base de dados muito importante, segundo a Alzheimer´s Research UK uma ONG de luta contra a doença de Alzheimer que encorajou as pessoas a participarem no projeto: “O facto de dezenas de milhares de pessoas poderem jogar este jogo significa uma aceleração nas pesquisas contra a demência. Fazer a pesquisa no laboratório de forma a recolher todos estes dados que conseguimos recolher através do jogo poderia levar centenas de anos. É muito importante que esteja centrado na pesquisa, porque a pesquisa é a única coisa que pode vir a resultar na descoberta de um tratamento”, explica Hilary Evans, desta organização.