Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Itália: Oposição contesta reforma constitucional e apela a votar "Não" no referendo

Itália: Oposição contesta reforma constitucional e apela a votar "Não" no referendo
Tamanho do texto Aa Aa

Os italianos pronunciam-se em referendo, este domingo, sobre uma série de reformas constitucionais propostas pelo primeiro-ministro, Matteo Renzi.

Apresentadas com as reformas mais importantes desde a segunda guerra mundial, elas visam pôr fim à instabilidade política em Itália, um país que teve já 63 governos em 70 anos de democracia.

No sistema atual, as leis devem ser aprovadas pelas duas câmaras do parlamento, o que torna o processo legislativo muito moroso. O que está em causa nesta mudança é o senado, que irá perder peso político face à câmara dos deputados.

Dos 315 senadores eleitos atualmente, apenas vão ficar 100, dos quais 74 escolhidos pelos conselhos regionais, 21 pelos presidentes de câmara e 5 nomeados pelo presidente da república.

Desta forma, os governos das 20 regiões italianas devem conceder poderes ao Estado, o que não agrada a muitos, sobretudo a Lega do Nord, o poderoso partido regionalista que fez campanha pelo “Não”.
“É uma reforma que retira poderes, liberdade e fundos às regiões, mesmo às mais bem administradas”, afirma o líder da Lega, Matteo Salvini.

Também o partido Forza Itália, assim como o seu fundador, Silvio Berlusconi, qualificam as reformas de perigosas:
“Uma iminente jurista alemã diz que isto é um golpe de Estado tranquilo. Renzi tem que ter muita atenção a esta reforma que pensa que lhe é favorável. Toda a gente vai poder ganhar, mesmo Grillo”.

“Com a cláusula da supremacia, o governo vai poder decidir construir um oleoduto, uma mina de carvão ou mesmo uma central nuclear. Vão fazê-lo!”, alerta Beppe Grillo, o líder do Movimento Cinco Estrelas, num ataque contra a reforma que considera anti-democrática porque diminui os direitos do povo.

Após ter ligado o seu mandato ao resultado do referendo, Matteo Renzi tenta agora distanciar-se:
“Agora o debate é: Quer mudar a constituição? Sim ou Não? E se o povo disser que quer manter este sistema bicamaral perfeito, o Conselho Nacional para a Economia e para o Trabalho e o maior e mais caro parlamento do mundo, nós respeitamos o povo com tranquilidade. Mas isto não é um referendo sobre mim.”