Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Itália: Professor Giovanni Guzzetta defende reforma constitucional

Itália: Professor Giovanni Guzzetta defende reforma constitucional
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Analisamos as razões para o voto “Sim” no referendo do próximo domingo, com Giovanni Guzzetta, professor de Direito Público, na Faculdade de Direito da Universidade Tor Vergata de Roma e coordenador do comité “Juntos Mudaremos”.

Sabrina Pisu, Euronews:
Qual é a razão principal que o leva a defender o “Sim”?

Giovanni Guzzetta:
“A razão principal é que se trata de uma reforma extraordinária de uma linda constituição, com muitas partes antiquadas. Algumas partes estão desadequadas porque quando esta constituição foi escrita sofreu a influência de um contexto histórico muito peculiar. Havia um conflito muito forte entre comunismo e anti-comunismo. A escolha foi num modelo com um governo fraco em que a maioria não podia governar sem a ajuda da oposição. As grandes democracias como a britânica eram o modelo, mas não podiam ser seguidas. Hoje podemos avançar. Trata-se de eliminar algumas anomalias que tornam a Itália um país excêntrico comparado com as grandes democracias. Infelizmente, em Itália, tudo se torna controvérsia política e todas as campanhas tendem a ser utilizadas pelas forças políticas como se fossem campanhas eleitorais, esquecendo que é o país que está em jogo”.

Euronews:
“Falemos da reforma do senado: muitos juristas concordam com o fim do sistema bicamaral, mas não concordam que os cidadãos deixem de ter o direito de eleger os senadores. Acha que esta alteração pode pôr em causa a soberania do povo, tal como está definida no primeiro artigo da Constituição?

Giovanni Guzzetta:
“Se isso fosse verdade, poderíamos também dizer que a Alemanha roubou a soberania ao povo, a França retirou a soberania ao povo, o Canadá também restrigiu a soberania do povo, com este tipo de estrutura, com uma forma de governo parlamentar, com a confiança da primeira câmara. Nenhum país no mundo tem uma segunda câmara, com exceção da Espanha, onde a segunda câmara é parcialmente eleita diretamente e parcialmente eleita pelos conselhos provinciais. O novo modelo escolhido pela reforma italiana é um modelo que existe na Áustria, na Bélgica, na Holanda, por exemplo. Não tem nada de subversivo e certamente nada de anti-democrático”.

Euronews:
De acordo com grandes constitucionalistas, a reforma vai dar poderes excessivos ao governo. Alguns falam de risco de autoritarismo, um poder que se torna oligárquico, uma democracia esvaziada. Porquê?

Giovanni Guzzetta:
“Eu tenho dificuldade em ver uma perspetiva de autoritarismo nesta reforma. Nesta reforma, o primeiro-ministro nem sequer pode demitir ministros e certamente nem poderá dissolver o parlamento. De facto, não consigo ver a deriva autoritária. Em Itália o autoritarismo é uma questão muito forte, porque a história lembra-nos que houve períodos de autoritarismo. É uma questão sensível porque cria terror e ansiedade. Mas toda a gente se esquece que só houve um episódio em Itália que levou a um regime autoritário, foi em 1922, quando Mussolini foi capaz de conquistar o governo do país porque as instituições da época estavam completamente incapazes de governar e de ser eficazes”.

Euronews:
Qual é o ponto fraco desta reforma?

Giovanni Guzzetta:
“O ponto fraco da reforma é, talvez, não ter ido tão longe quanto se esperava. Mas, apesar de tudo, é uma boa reforma. Estou profundamente convencido disso”.