Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Glencore e Catar entram no capital da petrolífera russa Rosneft

Glencore e Catar entram no capital da petrolífera russa Rosneft
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Rosneft procurava os “investidores estratégicos apropriados” e encontrou. O Estado russo vendeu 19,5% da maior produtora de petróleo do país à gigante anglo-suíça das matérias-primas Glencore e ao fundo sobreano do Catar. O presidente da Rosneft, Igor Sechin, informou Vladimir Putin “sobre o complexo acordo de privatização”, avaliado em 10,5 mil milhões de euros, e recebeu a congratulação.

“Espero que a chegada da Glencore e do Catar à gestão melhore a transparência da empresa. Com mais de 50%, o Estado continua a ter a maioria do capital”, clarificou o presidente russo, Vladimir Putin.

A particularidade desta operação é que a Rosneft está sujeita a sanções europeias e norte-americanas, na sequência do conflito com a Ucrânia. No entanto, quer o fundo do Catar que a Glencore podem passar ao lado deste bloqueio por causa da respetiva origem nacional. A eleição de Trump também pode ter implicações.

“Se falarmos em termos sanções da União Europeia o acordo inclui ações antigas, que já circularam no mercado, e que não são afetadas. Por isso, não podemos dizer que as sanções podem afetar este acordo em particular”, explicou Victor Khaikov, presidente da Associação russa de Petróleo e Gás.

No rescaldo do anúncio da alienação do capital as ações da Rosneft dispararam na bolsa de Moscovo. Quer o fundo soberano do Catar quer a Glencore estarão presentes em iguais proporções.