EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Shinzo Abe ensaia em Pearl Harbor "reconciliação" com EUA

Shinzo Abe ensaia em Pearl Harbor "reconciliação" com EUA
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Num périplo acima de tudo simbólico, o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, visita, esta terça-feira, na companhia do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, o local do bombardeamento em Pearl

PUBLICIDADE

Num périplo acima de tudo simbólico, o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, visita, esta terça-feira, na companhia do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, o local do bombardeamento em Pearl Harbor, que determinou a entrada dos EUA na Segunda Guerra Mundial.

Shinzo Abe, que aterrou na segunda-feira na base de Pearl Harbor-Hickam rumou depois ao Cemitério Nacional do Pacífico, onde depositou uma coroa de flores.

Apesar de munido de um espírito de reconciliação, em Pearl Harbor, Abe, à semelhança da visita de Obama a Hiroshima, não prevê pedir perdão.

“Espero enviar uma mensagem forte sobre o valor da reconciliação bem como mostrar as nossas orações sinceras em nome dos que morreram na guerra”, disse o primeiro-ministro japonês.

Da China chegou a mensagem de que a visita de Abe não permite fazer tábua rasa dos acontecimentos.

“Visitar Pearl Harbor e querer apagar por completo factos históricos da Segunda Guerra Mundial é uma ilusão. Sem uma reconciliação com a China e outros países asiáticos vitimizados, o Japão nunca será capaz de virar esta página”, sublinhou a porta-voz do ministério chinês dos Negócios Estrangeiros, Hua Chunying.

Os bombardeamentos em Pearl Harbor saldaram-se na morte de 2400 militares norte-americanos. Um número menos expressivo do lado japonês, que registou 64 baixas.

A ofensiva japonesa, preparada durante meses em segredo, precipitou a entrada dos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Há 80 anos o Japão atacava Pearl Harbor

Batalha de Pearl Harbor: O ataque que mudou a história há 75 anos

Biden chama nações "xenófobas" à Índia e Japão