Trump quer embaixada dos Estados Unidos em Israel na cidade de Jerusalém

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Trump quer embaixada dos Estados Unidos em Israel na cidade de Jerusalém

A administração Trump tenciona transferir a embaixada americana em Israel para a cidade de Jerusalém. Para o presidente americano trata-se de uma prioridade. O governo israelita mostra-se favorável a esta mudança, após ter encorajado no passado outros presidentes americanos a instalar a representação diplomática naquela cidade.
Um porta-voz da Casa Branca anunciou já ontem o início do processo.

A decisão motivou já manifestações de protesto na Cisjordânia, particularmente nas cidades de Ramalah e Hebron, onde centenas de palestinianos se dizem preparados a combater o projeto de Donald Trump, que consideram “afetar toda a nação palestiniana, todo o mundo árabe e islâmico e mesmo o mundo cristão”.

A Autoridade Palestiniana, dirigida por Mahmoud Abbas, já tinha advertido que todo o processo de paz poderia ser posto em causa se Trump pusesse em marcha as promessas que fizera.
“Dizemos ao senhor Trump que esperamos que ele não mude a embaixada de Telavive para Jerusalém, porque Jerusalém, do ponto de vista de Israel, é uma cidade unificada e isso não é correto nem legal. De resto, mudar a embaixada antes do que quer que seja que venha a acontecer só pode perturbar o processo de paz”, afirmou.

Contactado pela Euronews, o porta-voz para os médias árabes no gabinete do primeiro-ministro israelita, Ofir Gendelman recusou qualquer comentário. Para Lenny Ben-David, diretor do Centro de Assuntos Públicos em Jerusalém e antigo diplomata de Israel em Washington, a iniciativa de Trump não tem qualquer impacto no porcesso de paz: “Trump não vai vacilar, não vai parar a decisão que tomou. Essa é a questão. Penso mesmo que vai fazê-lo. E possívelmente já começou lentamente o processo de mudança. Não me parece que seja um atentado ao mundo árabe nem aos palestinianos. Não tem que afetar o processo de paz, mas pode dar aos palestininanos uma motivação para avançarem com a negociação do estatuto de Jerusalém, em vez de dizerem que vão declarar a guerra”.

Donald Trump poderá estar a iniciar uma operação que encerra grandes riscos para a região e para o processo de paz, pondo em causa o consenso internacional sobre um estatudo de Jerusalém negociado entre israelitas e palestinianos.