Cuba pede a Trump que respeite a "soberania e independência" da ilha

Cuba pede a Trump que respeite a "soberania e independência" da ilha
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O executivo cubano espera que Donald Trump respeite a soberania e a independência da ilha, no processo de reconciliação iniciado por Barack Obama.

PUBLICIDADE

O executivo cubano espera que Donald Trump respeite a soberania e a independência da ilha, no processo de reconciliação iniciado por Barack Obama.

O apelo foi lançado por Raul Castro durante a quinta cimeira da Comunidade dos Estados Latinoamericanos e do Caribe – CELAC – na República Dominicana.

Longe de uma condenação unânime das novas políticas de Washington, os líderes do chamado “eixo bolivariano” limitaram-se a rejeitar “a criminalização da imigração clandestina”, o protecionismo, o racismo e a xenofobia.

“A solução para parar a imigração não passa por muros ou fronteiras, mas pela solidariedade, humanismo e a defesa da paz e do bem-estar para todos. Os problemas do mundo não serão resolvidos enquanto não conseguirmos assegurar uma repartição justa da riqueza”, afirmou o presidente equatoriano Rafael Correa.

A reunião foi marcada pela ausência dos presidentes do México e da Colômbia, assim como de qualquer crítica direta à construção do muro anti-imigração defendido por Donald Trump.

Se o líder cubano Raul Castro espera prosseguir o processo de normalização com Washington, já o presidente Venezuelano, Nicolas Maduro, limitou-se a apelar à unidade, “contra os riscos que ameaçam a América Latina”.

Nas conclusões finais da cimeira os estados-membros exigiram igualmente que a ilha de Guantanamo seja restituída a Cuba, no quadro do processo de normalização com os EUA.

Apelos que contrastam com as palavras de Trump sobre o diálogo bilateral, depois do novo presidente ter ameaçado suspender as discussões com Havana, na ausência de novas concessões do regime sobre temas como os direitos humanos ou a economia de mercado.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Novos ataques aéreos israelitas em Gaza fazem pelo menos 100 mortos

Zelenskyy na Albânia para cimeira com países do sudeste europeu

Meloni quer travar imigração ilegal melhorando condições de vida em África