A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Merkel candidata dos conservadores alemães às eleições gerais de setembro

Merkel candidata dos conservadores alemães às eleições gerais de setembro
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Angela Merkel será a candidata dos conservadores alemães às eleições gerais de 24 de setembro. A decisão foi anunciada esta segunda-feira pelos líderes da União Democrata-Cristã (CDU) e da União Social-Cristã (CSU) da Bavária, depois de um encontro de dois dias em Munique.

Para o presidente da Baviera e da CSU, Horst Seehofer, a candidatura de Merkel é o antídoto certo contra a coligação “vermelho-vermelho-verde” – entre o partido de esquerda radical Die Linke, os sociais democratas do SPD e os Verdes:

“Queremos evitar uma coligação vermelho-vermelho-verde. A proximidade entre o CDU e o CSU permite uma aliança que constitui o melhor obstáculo contra prevenção contra a coligação vermelho-vermelho-verde.”

A ascensão nas sondagens de Martin Schulz, o candidato do Partido Social Democrata (SPD) e ex-presidente do Parlamento Europeu, forçou os conservadores à reconciliação.

A União Social Cristã (CSU) – o partido irmão da União Democrata-Cristã (CDU) na Baviera, tem criticado Merkel desde que a chanceler decidiu permitir a entrada de mais de um milhão de refugiados na Alemanha nos últimos dois anos.

A CSU exigiu durante os últimos meses de 2016 que fosse instaurada uma cota máxima de 200 mil refugiados anuais para evitar que se repetisse a situação de 2015, quando chegaram à Alemanha 890 mil requerentes de asilo, a maioria dos quais através da Baviera.

A chanceler não cedeu, alegando que o direito de asilo está inscrito na constituição da Alemanha.

Martin Schulz veio obrigar a CSU a esquecer estas divergências.