EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Trump pode avançar com novo decreto anti-imigração

Trump pode avançar com novo decreto anti-imigração
Direitos de autor 
De  Rodrigo Barbosa com Reuters / AFP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Donald Trump diz não ter dúvidas que vai vencer os desafios legais à sua política anti-imigração, mas equaciona também avançar com um “decreto totalmente novo” para restringir a entrada nos Estados Un

PUBLICIDADE

Donald Trump diz não ter dúvidas que vai vencer os desafios legais à sua política anti-imigração, mas equaciona também avançar com um “decreto totalmente novo” para restringir a entrada nos Estados Unidos de cidadãos de determinados países muçulmanos.

No regresso do Japão, a bordo do Air Force One, o presidente norte-americano afirmou estar seguro de que a administração “vai vencer a batalha [legal], mas infelizmente demora muito tempo”. Trump acrescentou que “existem muitas outras opções, como avançar com uma nova ordem [executiva] já na segunda-feira”. Questionado sobre se é esse o seu “plano”, o presidente disse que gosta de “surpreender”.

Ao mesmo tempo, o executivo indicou que ainda está a equacionar se leva o assunto ao Supremo Tribunal.

Para o advogado e defensor dos direitos dos imigrantes Lee Gelernt “a discriminação é o cerne do problema. Qualquer ordem que discrimine contra muçulmanos, será ilegal, independentemente do facto dos residentes permanentes legais estarem excluídos do alcance da ordem executiva”.

Apesar da ordem executiva de Trump ter sido suspensa, continuam os protestos contra a medida instituída pelo presidente com a intenção de proibir a entrada nos Estados Unidos de cidadãos de sete países de maioria muçulmana.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Robert de Niro chama "palhaço" a Donald Trump à porta do tribunal

Biden apela à libertação de jornalistas no jantar dos correspondentes de imprensa

Mike Pence: "A maioria dos norte-americanos acredita no nosso papel de líderes do mundo livre"