Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Guatemala bloqueia barco de ativistas do direito ao aborto

Guatemala bloqueia barco de ativistas do direito ao aborto
Tamanho do texto Aa Aa

A marinha da Guatemala apresou uma embarcação da associação de defesa dos direitos das mulheres, “Women on Waves”.

O pequeno iate deveria lançar uma campanha de cinco dias em favor da despenalização do aborto, com a distribuição de “pílulas do dia seguinte” a mulher com até 10 semanas de gravidez.

As autoridades impediram as militantes de descer a terra, no porto de San Jose, nos arredores da capital, afirmando que não declararam até agora o motivo da viagem.

Segundo uma das ativistas, Marleni Arias:

“Elas pensaram que seria uma boa oportunidade para vir à América Latina pela primeira vez para promover a despenalização e a legalização do aborto como um direito humano para as mulheres”.

A IVG é atualmente ilegal na Guatemala, salvo em casos em que a vida da mãe se encontra em risco.

As ativistas pretendem desafiar a legislação do país, com a distribuição de pílulas do dia seguinte, ao largo das águas internacionais, a grupos de cinco mulheres de cada vez.

Uma ação que enfrenta a oposição dos meios mais católicos:

“É um pecado. Porque é que não vão para a Holanda e matam lá as crianças? Já temos muitas maldições na Guatemala e não precisamos mais”.

A associação baseada em Amsterdão, multiplica há anos este tipo de ações para defender o direito ao aborto.

Em 2015 as ativistas tinham utilizado drones para distribuir pílulas abortivas na Polónia, outro país católico onde o aborto só é permitido em caso de perigo de vida para a mãe.

Após um virulento debate no parlamento, o exército da Guatemala afirmou que, “não permitirá que a ONG efetue as suas atividades no país”, sob ordens do presidente Jimmy Morales.

Segundo a “Women on Waves”, cerca de 67 mil mulheres morrem todos os anos na sequência de abortos clandestinos.

Na Guatemala, o número anual de IVGs ilegais ascende a 65 mil, quando as complicações de saúde deste tipo de cirurgias representam a terceira causa de morte entre as mulheres do país.