Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Peripécias no anúncio do Óscar não estragam a festa do vencedor "Moonlight"

Peripécias no anúncio do Óscar não estragam a festa do vencedor "Moonlight"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Este ano a cerimónia dos Óscares ficou marcada por um engano no anúncio do grande prémio. O Óscar para melhor filme foi primeiro atribuído a “La La Land: Melodia de Amor”. A informação foi corrigida minutos depois. O verdadeiro vencedor era afinal “Moonlight”.

Muitos dos elementos da Academia identificaram-se com o filme, o que é muito reconfortante porque a personagem principal é um marginal. A Academia escolheu o filme para dizer que há muitas Américas diferentes e que todas elas são válidas.

A longa-metragem de Barry Jenkins arrecadou três estatuetas. Além de melhor filme, venceu também nas categorias melhor argumento adaptado e melhor ator secundário.

“Moonlight” retrata a vida de um jovem negro, desde a infância até a idade adulta, num bairro problemático de Miami. Entre outras coisas o protagonista é confrontado com a sua própria identidade sexual.

“Muitos dos elementos da Academia identificaram-se com o filme, o que é muito reconfortante porque a personagem principal é um marginal. A Academia escolheu o filme para dizer que há muitas Américas diferentes e que todas elas são válidas”, disse Barry Jenkins.

“La la Land: melodia de amor”, o grande favorito, estava nomeado em 14 categorias, um recorde, e acabou por vencer em seis. Damien Chazelle ganhou o Óscar de melhor realizador e Emma Stone levou para casa a estatueta para melhor atriz.

O musical de Chazelle inspira-se nos musicais do cineasta francês Jacques Demi e nos musicais de Hollywood e retrata o encontro entre um músico de jazz e uma jovem atriz em busca da fama. Emma Stone contracena com Ryan Gosgling.

Casey Affleck arrecadou o Óscar para melhor ator pelo papel principal no melodrama Manchester by the Sea. O filme conta a história dramática de um homem que fica com a guarda do sobrinho após a morte do irmão.

O Óscar para melhor filme estrangeiro foi atribuído à longa-metragem “O vendedor” de Asghar Farhadi. É a segunda vez que o realizador iraniano ganha o Óscar de Melhor Filme de Língua Estrangeira.

Farhadi esteve ausente da cerimónia, em protesto contra as medidas anti-imigração de Donald Trump, mas, escreveu uma mensagem que foi lida durante a cerimónia. O realizador iraniano sublinhou que “os cineastas criam empatia entre nós e os outros, uma empatia que é necessária hoje mais do que nunca”.

O filme premiado, “O vendedor” segue a vida de uma casal obrigado a mudar de casa em Teerão. Quando chega ao novo apartamento, a mulher é agredida e o marido fica obcecado por encontrar o agressor.