EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Rússia e China voltam a proteger Presidente da Síria das sanções da ONU

Rússia e China voltam a proteger Presidente da Síria das sanções da ONU
Direitos de autor 
De  Francisco Marques
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Proposta de condenação do regime de Bashar al-Assad, pelo alegado uso de armas químicas, foi apresentada por Reino Unido, França e Estados Unidos, mas voltou a ser vetada pelos outros membros permanen

PUBLICIDADE

A Rússia e a China voltaram esta terça-feira a proteger o regime de Bashar al-Assad de sanções pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU) devido ao alegado uso de armas químicas no conflito civil que afeta a Síria há quase seis anos.

Draft to impose sanctions on #Syria for use of chemical weapons not adopted UN</a> Security Council w/ 3 votes against <a href="https://twitter.com/hashtag/Bolivia?src=hash">#Bolivia</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/China?src=hash">#China</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/Russia?src=hash">#Russia</a> <a href="https://t.co/ouTzCn2wXJ">pic.twitter.com/ouTzCn2wXJ</a></p>&mdash; United Nations Photo (UN_Photo) 28 de fevereiro de 2017

A proposta tinha sido apresentada pelos membros permanentes Reino unido, França e Estados Unidos, contou com a abstenção de Cazaquistão, Etiópia e Egito entre os 15 membros deste órgão da ONU, mas bastava o veto de um dos outros dois membros permanentes do Conselho de Segurança para não passar.

Russos, pela sétima vez, e chineses, pela sexta, aliaram-se uma vez mais na proteção do governo sírio. Também a Bolívia votou contra.

Russia has vetoed for the 7th time on #Syria in 5 years.

This time they've prevented justice for victims of chemical attacks. Unthinkable. pic.twitter.com/7AS2Wn6tR6

— UKUN_NewYork (@UKUN_NewYork) 28 de fevereiro de 2017

A nova embaixadora norte-americana na ONU acusou a Rússia de “simplesmente não querer criticar o regime de Assad pelo uso de armas químicas”. “Esta é a verdade”, sublinhou Nikki Haley perante a assembleia do Conselho de Segurança.

“A mensagem enviada por este veto é a de que China e Rússia vão sempre proteger os amigos que recorrem a armas químicas para matar o próprio povo. Alguns dizem que nos devemos ficar apenas no ‘daesh’, mas os Estados Unidos condenam qualquer uso de armas químicas. Seja pelo ‘daesh’ ou por outro agente não-estatal”, acrescentou a embaixador dos Estados Unidos.

Ambassador nikkihaley</a> on <a href="https://twitter.com/hashtag/chemicalweapons?src=hash">#chemicalweapons</a>→"How much longer is <a href="https://twitter.com/hashtag/Russia?src=hash">#Russia</a> going to continue to babysit & make excuses for the <a href="https://twitter.com/hashtag/Syrian?src=hash">#Syrian</a> regime?" <a href="https://t.co/KakwEoyzCE">pic.twitter.com/KakwEoyzCE</a></p>&mdash; US Mission to the UN (USUN) 24 de fevereiro de 2017

Accountability.

Justice.

This is what we passed up with Russia/China veto of #Syria chemical weapons resolution. Watch until the end. pic.twitter.com/HoSLs3bpsO

— UKUN_NewYork (@UKUN_NewYork) 28 de fevereiro de 2017

Antes mesmo de a resolução ir a votos em Nova Iorque, de visita ao Quirguistão, Vladimir Putin justificou o veto russo, que já era conhecido há vários dias.

“Julgo ser absolutamente inapropriado sancionar agora o governo sírio. Sobretudo porque não vai ajudar o processo de negociação. Aliás, só o irá prejudicar porque iria minar a confiança nas negociações em curso. Por isso, a Rússia não apoia quaisquer novas sanções contra a Síria”, afirmou Putin.

Joint news conference with President of Kyrgyzstan Almazbek Atambayev https://t.co/K7yXgP0Q2mpic.twitter.com/mDc7dNUpVo

— President of Russia (@KremlinRussia_E) 28 de fevereiro de 2017

O Presidente russo referia-se às conversações de paz retomadas na semana passada entre o regime de Assad e a oposição síria em Genebra, na Suíça.

O chefe da delegação da Alta Comissão de Negociações (ACN) da oposição síria tinha apelado segunda-feira a Moscovo para que tomasse “o partido do povo sírio e não o de alguém que está a destruir o seu país para se manter no poder”.

Nasser a-Hariri revelou ter para esta terça-feira uma reunião marcada com uma alta delegação russa, incluindo o vice-ministro dos Negócios Estranheiros, Guennadi Gatilov, e o encarregado do mesmo ministério para o Médio Oriente, Serguei Verchinin. O apelo não terá tido grandes efeitos junto do governo liderado por Vladimir Putin, um assumido aliado de Bashar al-Assad em especial depois das sanções aplicadas pelo ocidente a Moscovo devido à interferência no conflito ucraniano e à anexação da Crimeia.

By vetoing UNSCR on #Syria, Russia shows it puts protection of Assad above upholding global non-proliferation regime on chemical weapons.

— Stephen Hickey (@sblhickey) 28 de fevereiro de 2017

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Prosseguem os combates em Gaza apesar da decisão do TIJ que obriga Israel a pôr termo à ofensiva em Rafah

ONU aprova resolução destinada a assinalar genocídio de Srebrenica

Cronologia: Que países reconheceram o Estado palestiniano? Quando e porquê?