Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Companhias reagem à proibição de dispositivos eletrónicos a bordo

Companhias reagem à proibição de dispositivos eletrónicos a bordo
Tamanho do texto Aa Aa

A companhia Turkish Airlines implementa a partir desta sexta-feira a proibição de levar computadores portáteis e outros dispositivos eletrónicos na bagagem de cabina. Mas o governo turco revela estar em negociações para retirar a companhia e o aeroporto de Istambul das listas norte-americana e britânica.

Huseyin Muftouglu, porta-voz do ministério turco dos Negócios Estrangeiros, afirmou: “Os nossos esforços continuam para excluir o aeroporto de Istambul da proibição. Continuamos com as negociações não só com os Estados Unidos mas também com o Reino Unido, que implementa uma medida semelhante”.

Para não perder clientes entre os ricos homens de negócios do Médio Oriente, clientes, a Emirates oferece um novo serviço gratuito: os passageiros podem usar os dispositivos eletrónicos até ao embarque. Os aparelhos são depois recolhidos antes da descolagem e colocados no porão.

A proibição não se aplica a todas as companhias.

Tim Clark, presidente da Emirates, interroga-se: “Espero que possamos ultrapassar isto e que o governo dos Estados Unidos a um dado momento suavize a proibição, porque, se a proibição é específica para os países e aeroportos mencionados, tenho de ser honesto, não compreendo porque é que não teria aplicação mundial”.

A proibição, por alegado risco terrorista, aplica-se a voos diretos de companhias de sete países árabes e da Turquia e a uma dezena de aeroportos.

No meio da polémica, a Royal Jordanian Airlines, via Twitter, sugere 12 coisas que pode fazer a bordo quando não se tem computador.

A proibição, segundo os peritos, vai pesar sobre a rentabilidade das companhias aéreas visadas. Estas correm o risco de perder clientes, em especial, entre os homens de negócios que tendem a viajar em primeira classe nas companhias do Golfo.

A medida poderá também fazer aumentar as despesas com indemnizações com aparelhos eletrónicos perdidos, destruídos ou roubados.

Quem vai perder também são as zonas comerciais dos aeroportos. O operador “duty free” do aeroporto do Dubai estima que poderá perder dois milhões de dólares este ano.