Última hora
This content is not available in your region

May defende na Escócia "unidade" do Reino Unido

May defende na Escócia "unidade" do Reino Unido
Tamanho do texto Aa Aa

A dois dias de lançar o processo de saída da União Europeia, a primeira-ministra britânica foi a Glasgow para defender a necessidade de manter a “unidade” no Reino Unido e sublinhar à chefe do governo escocês que “não é o bom momento” para reclamar a independência.

Foi o primeiro encontro desde que Nicola Sturgeon anunciou a intenção de convocar um novo referendo sobre a autodeterminação, no fim de 2018 ou início de 2019.

A primeira-ministra escocesa diz que “pensava, com base nos relatos dos media, que [Theresa May] vinha oferecer algo no sentido de mais poderes, mas não foi o caso. Não houve qualquer garantia real de que os poderes, quando regressarem de Bruxelas […], não serão centralizados em Westminster”.

Se, por um lado, Sturgeon afirmou que o diálogo com May foi cordial, por outro sublinhou que não permitiu qualquer avanço notável.

Antes do encontro, a primeira-ministra britânica defendia que “no momento em que o Reino Unido sai da União Europeia e forja um novo papel no mundo, a força e a estabilidade [do país] tornar-se-ão ainda mais importantes”.

Sturgeon aproveitou a decisão de May de abandonar o mercado único para reivindicar um novo referendo à independência, dois anos depois da consulta de setembro de 2014, quando 62 por cento dos escoceses votaram para permanecer no bloco comunitário. Segundo Sturgeon, o chamado “Brexit duro” ameaça dezenas de milhares de empregos na Escócia.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.