EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Carlos, o Chacal: Defesa e vítimas reagem

Carlos, o Chacal: Defesa e vítimas reagem
Direitos de autor 
De  Antonio Oliveira E Silva com AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Foi a terceira pena imposta pela Justiça francesa ao venezuelano, que insisitu na sua inocência.

PUBLICIDADE

Com AFP

Ilich Ramírez Sanchez, conhecido como Carlos, o Chacal, foi condenado a mais uma pena de prisão perpétua pela justiça francesa, pelo atentado cometido com uma granada no bairro de Saint-Germain, na capital francesa, em setembro de 1974.

Morreram duas pessoas e 34 ficaram feridas no atentado conhecido como da Publicis Drugstore.

Foi a terceira vez que Carlos, o Chacal foi condenado a prisão perpétua, por atentados terroristas cometidos nos anos 70 e 80, depois de ter sido detido pelas autoridades francesas no Sudão, em 1994.

“Carlos, o Chacal” é condenado à prisão perpétua na França https://t.co/9XoF6oaYVJ#Chacalpic.twitter.com/NeOwqdnqTu

— Agência EFE Brasil (@BrasilEFE) 28 de março de 2017

Muitas das ações levadas a cabo pelo venezuelano, que chegou a ser considerado como o inimigo número um do Ocidente, tiveram lugar em território francês. No entanto, um dos atentados que mais fama lhe trouxe foi a tomada de reféns na Organização de Países Produtores de Petróleo, a OPEP, em dezembro de 1975, em Viena, na Áustria.

Durante o último julgamento, Carlos disse aos juízes que era um “revolucionário profissional” e insistiu na sua inocência, já que não sabia quem era o responsável pelo ataque ao estabelecimento Drugstore Publicis, situado numa das zonas mais caras de Paris.

“Verdade mediatica foi mais forte do que a verdade jurídica”
O avogado de Carlos, o Chacal, Francis Vuillemin, disse aos jornalistas, uma vez conhecida a sentença, que prevaleceu o que definiu como a verdade dos media em detritmento da verdade da Justiça:

“Nem sabemos que tipo de granada explodiu no estabelecimento de Saint Germain”, disse o advogado.

“Mas Carlos foi condenado. A verdade mediática prevaleceu sobre a verdade da justiça nas mentes dos juízes”, concluiu.

Vítimas “encontraram, finalmente, o culpado”
Posição totalmente oposta foi a expressada por Guillaume Denoix de Saint Marc, da Associação Francesa das Vítimas do Terrorismo. Guillaume Denoix diz que foram muitos anos à espera de uma resposta, mas que esta acabou por chegar:

“De facto, a situação pessoal de Carlos não muda nada, mas, para as vítimas, há uma grande mudança”, disse o presidente da AFVT.

Carlos condamné à perpétuité pour l’attentat du Drugstore Publicis en 1974 https://t.co/ea0sTXrtPS — via lemondefr</a></p>&mdash; G. de Saint Marc (gsaintmarc) 28 mars 2017

“Foram ditas coisas importantes, a Justiça anunciou um veredito, que, 43 anos depois tem uma extraordinária carga simbólica. Há 43 anos que as vítimas queriam saber quem era o responsável por este ataque e agora sabem que é Carlos”, concluiu.

Pilar Segui, victime de l'attentat du Drugstore Saint-Germain va témoigner aujourd'hui au procès Carlos. Elle avait 11 ans et a été blessée. pic.twitter.com/SmR5LvsAIj

— AfVT.org (@afvt_org) 24 mars 2017

Carlos, o Chacal, um “revolucionário profissional”

  • 1949- Nasce a 12 de outubro

  • Natural de Michelena, Estado de Táchira

  • 1959- Membro das Juventudes do Partido Comunista Venezuelano

  • 1970- Adere à Frente Popular de Libertação da Palestina e passa a ser conhecido como Carlos

  • 1974-Atentado com granada na Drugstore Publicis, 2 mortos e 34 vítimas

  • 1975-Assassinato de dois polícias franceses, em Paris

  • 1975-Líder do comando que atacou a sede da OPEP, em Viena

  • 1981- Atentado contra a Radio Free Europe, em Munique

  • 1985- Expulso da Hungria, instala-se na Síria, onde permanece inativo

  • 1994- Detido pelos serviços secretos franceses no Sudão

  • 1997- Primeira condenação a prisão perpétua pela Justiça francesa

  • 2017- Condenado a terceira pena de prisão perpétua

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Quem é "Carlos, o Chacal"?

Macron desloca-se à Nova Caledónia para tentar pôr termo à violência no arquipélago

Polícia francesa mata homem que tentava incendiar sinagoga em Rouen