Última hora
This content is not available in your region

Moscovo cometeu falhas graves em Beslan, afirma Tribunal Europeu dos Direitos Humanos

Moscovo cometeu falhas graves em Beslan, afirma Tribunal Europeu dos Direitos Humanos
Tamanho do texto Aa Aa

A tragédia da escola de Beslan podia ter sido evitada, se as autoridades russas não tivessem cometido tantos erros, declarou esta quinta-feira o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos.

Segundo o Tribunal de Estrasburgo, as autoridades russas são responsáveis por falhas graves nas operações contra o ataque terrorista, em 2004, no qual morreram cerca de 330 pessoas, entre as quais 186 crianças.

De acordo com o veredito, os 409 cidadãos russos que recorreram à deliberação do orgão jurídico do Conselho da Europa têm direito a um total de três milhões de euros de indemnizações, a pagar por Moscovo.

O tribunal considerou que as autoridades russas podiam ter tomado medidas para impedir o cerco, usaram de demasiada força no ataque, conduziram mal as negociações com os rebeldes tchetchenos e as investigações posteriores sobre o caso.

No dia 1 de setembro de 2004, um comando de terroristas fez reféns mais de mil pessoas, a maioria das quais crianças, na escola de Beslan, na Ossétia do Norte. Exigiam que o exército russo se retirasse de território tchetcheno.

As forças de segurança russas contribuiram para um número elevado de vítimas mortais por terem usado contra a escola armas tão poderosas como “um canhão de assalto, lança-granadas e lança-chamas”, afirmou o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos.

Há mais de uma década que os familiares das vítimas afirmam que o atentado podia ter sido prevenido e que os erros na operação de socorro foram a principal causa do elevado número de mortos.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.