EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Partido de Bouteflika mantém o poder

Partido de Bouteflika mantém o poder
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O partido no poder na Argélia desde a independência e o seu principal aliado ganhou com maioria absoluta as eleições parlamentares.

PUBLICIDADE

O partido no poder na Argélia desde a independência e o seu principal aliado ganhou com maioria absoluta as eleições parlamentares.

Num momento de crise económica e inércia política a Frente de Libertação Nacional (FLN) do presidente Abdelaziz Bouteflika mantém um lugar central na política do país há 55 anos.

Ainda assim, a FLN surge em perda de terreno comparativamente a 2012 mas mantém uma maioria graças ao apoio do Rally Nacional Democrática (RND), partido, fundado em 1997, e dirigido pelo Chefe de Gabinete da Presidência Ahmed Ouyahia.

Como previsto nas sondagens, a maioria dos eleitores ficou longe das urnas, a taxa de participação ronda os 38,25% , independentemente dos muitos argelinos que vivem no exterior.

O nível de abstencionismo confirmou a apatia do eleitorado registada durante a campanha eleitoral. Mas muitos deles foram impedidos de se deslocar às urnas pelo recente aumento dos preços dos alimentos e da situação socio-económica do país, fortemente afetado pela queda dos preços do petróleo nos últimos anos.

De acordo com os resultados anunciados, nenhuma das partes do movimento democrático garantiu assentos suficientes para formar um grupo parlamentar, o que requer 21 deputados.

Este é particularmente o caso do socialista Forças Frente (FFS mais antigo partido de oposição), o Rally de Cultura e Democracia (RCD), que boicotou as eleições parlamentares de 2012 e do Partido dos Trabalhadores (PT) da principal figura da extrema esquerda Louisa Hanoune.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Nigel Farage ultrapassou pela primeira vez partido do primeiro-ministro Rishi Sunak

Modi reivindica vitória nas eleições gerais da Índia

Primeiro-ministro Modi perto da vitória nas eleições da Índia