Última hora

Última hora

"WannaCry": Um vírus norte-coreano?

Em leitura:

"WannaCry": Um vírus norte-coreano?

"WannaCry": Um vírus norte-coreano?
Tamanho do texto Aa Aa

Os especialistas em segurança informática apontam para uma possível ligação da Coreia do Norte ao ciberataque que atingiu mais de 300 mil computadores em 150 países.

Dois investigadores da Google e da Symantec afirmam ter descoberto semelhanças entre o código do vírus “WannaCry” e outros programas maliciosos utilizados no passado por um grupo de piratas ligados a Pyongyang.

Um primeiro indício que está, no entanto, ainda longe de ser conclusivo para o informático Eric Chien da Symantec.

“Descobrimos um par do que poderemos chamar leves indícios ou ligações entre o vírus e este grupo anteriormente chamado Lazarus. O Lazarus esteve por detrás dos ataques contra a Sony e os bancos do Bangladesh, por exemplo. Mas estes indícios não são suficientes para atribuir o ciberataque ao Lazarus”.

Os especialistas falam de uma das maiores campanhas de sempre de extorsão informática, quando o vírus bloqueou centenas de milhares de computadores, em troca de resgates a partir de 300 euros.

O jovem informático Marcus Hutchins, que conseguiu travar a primeira vaga de contaminação, garante que o vírus original pertence ao passado.

“Pensamos que podem existir mais domínios que podem ser ativados nas próximas semanas, mas no que se refere à primeira ameaça, esta já foi eliminada”.

Os piratas teriam conseguido amealhar mais de 70 mil dólares de resgates, uma fraca recompensa que, para as autoridades norte-americanas demonstra que o principal objetivo do ataque seria o de criar “o cibercaos”.

As ações das empresas de segurança informática, como a israelita Cyren Ltd e a norte-americana FireEye registaram, entretanto, uma subida acentuada na bolsa.