Última hora
This content is not available in your region

Suécia arquiva processo de violação mas Assange ainda não está livre

Suécia arquiva processo de violação mas Assange ainda não está livre
Tamanho do texto Aa Aa

O fundador da Wikileaks, Julian Assange, recebeu esta sexta-feira uma notícia que há muito esperava. A procuradoria da Suécia decidiu arquivar o processo por violação em curso contra o australiano, de 45 anos, desde 2010.

Em conferencia de imprensa, Marianne Ny anunciou a decisão de não dar seguimento ao inquérito contra Julian Assange, por alegada violação de uma mulher de 30 anos.

A procuradora sueca explicou, contudo, que o arquivamento se deve à perspetiva de que o acusado não seja entregue à justiça em breve e que o processo pode ser reaberto até 2020.


Também a polícia britânica fez saber que Julian Assange continua a ser procurado e será detido no Reino Unido por ter violado em 2012 as condições da respetiva liberdade condicional ao ter-se refugiado na embaixada do Equador em Londres, onde solicitou ao Presidente equatoriano asilo diplomático. Autorizado, o australiano mantém-se desde então refugiado naquela embaixada para escapar ao mandado de detenção europeu emitido pela Suécia.

O fundador da Wikileaks havia-se entregado às autoridades britânicas quando o caso espoletou, foi julgado em Londres e acabou libertado sob fiança. Pouco depois da justiça britânica ter decidido a favor da extradição para a Suécia, Assange refugiou-se na embaixada londrina do Equador.

O arquivamento do processo anunciado esta sexta-feira na Suécia é, por tudo isto, apenas uma pequena vitória do fundador da Wikileaks. Pelas redes sociais da internet, Assange lembrou: “Estou detido há sete anos sem acusação enquanto os meus filhos crescem e o meu nome foi difamado. Eu não perdoo nem esqueço.”