EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Vídeo lança alarme sobre indústria dos ovos

Vídeo lança alarme sobre indústria dos ovos
Direitos de autor 
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Atingidas por uma bactéria, muitas galinhas estão doentes, algumas depenadas e cobertas de parasitas. Empresa trabalha para gigantes da indústria alimentar.

PUBLICIDADE

É o vídeo que está a chocar a Internet e as redes sociais. Foi gravado este mês numa criação de galinhas poedeiras em França, fornecedora de um dos maiores fabricantes de massa e de refeições prontas na Europa.

As galinhas são criadas em gaiolas. Atingidas por uma bactéria, muitas estão doentes, algumas depenadas e cobertas de parasitas, tal como os ovos. Há vários cadáveres pelo chão. As imagens foram recolhidas numa das duas instalações da empresa “Les oeufs Geslin” na Vendée, em França. A criação tem cerca de 1600 galinhas.

O alerta foi dado pela associação L214, que luta pela qualidade de vida dos animais: “Não podemos saber se as condições que vemos nestas imagens são uma exceção ou não. O que sabemos é que 68% das galinhas criadas em França para a produção de ovos são criadas em gaiolas. Sempre que temos acesso a imagens de galinhas criadas em gaiolas, constatamos o mesmo sofrimento, os mesmos problemas de depressão, por exemplo. Ferimentos, cadáveres, parasitas. Não queremos partir deste caso particular para fazer generalizações, mas sempre que temos acesso a estas imagens, constatamos o mesmo tipo de crueldade”, explica Alexandre Mouchel, porta-voz da L214.

Neste vídeo, a associação aponta o dedo ao grupo Panzani e à filial Lustucru, que utiliza os ovos deste fornecedor. A Lustucru defendeu-se através do twitter. Diz que representa apenas 1% da carteira de clientes da empresa e que, depois de conhecer as imagens, parou imediatamente de usar os ovos deste fornecedor.

pic.twitter.com/dGC86vEhCo

— Lustucru Selection (@LustucruFrance) May 30, 2017

O proprietário da Geslin, Benoît Geslin, diz que as imagens refletem uma situação temporária num dos dois complexos da empresa e que estes surtos de bactérias acontecem sempre que se trabalha com animais vivos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Macron desloca-se à Nova Caledónia para tentar pôr termo à violência no arquipélago

Polícia francesa mata homem que tentava incendiar sinagoga em Rouen

Pelo menos dois guardas prisionais mortos em ataque a carrinha celular em França