EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Christina, a menina cristã, volta a casa depois de raptada pelo Daesh

Christina, a menina cristã, volta a casa depois de raptada pelo Daesh
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A criança foi arrancada dos braços dos pais pelos extremistas quando a família fugia do norte do Iraque, tomado pelo Daesh.

PUBLICIDADE

Com AFP e Reuters

Christina Obada, uma menina iraquiana de seis anos, pertencente à minoria cristã, raptada pelos jiadistas do autoproclamado Estado Islâmico ou Daesh, voltou para junto dos pais, depois de três anos desaparecida.

A criança tenta agora habituar-se a chamar pai e mãe ao casal Obad, que não via desde os três anos de idade, quando fugiam da localidade de Qaraqosh, 15 quilómetros a sudeste de Mossul.

Em agosto de 2014 os extremistas do Daesh intercetaram o autocarro em que viajavam vários membros da comunidade cristã do norte do Iraque e arrancaram Christina dos braços da mãe.

A menina terá sido posteriormente encontrada por uma família em Mossul. Abandonada e em lágrimas, foi recolhida pela família.

Aida Nuh Obada, a mãe de Christina, ficou meses sem saber nada da filha. No entanto, as incursões por parte do exército iraquiano no norte do país, com o objetivo de recuperar Mossul ao Daesh fizeram renascer a esperança dos pais da menina.

Em janeiro deste ano, o exército iraquiano recuperou o controlo de parte da cidade de Mossul. A família que recolhera Christina conseguiu deixar a cidade e, dias depois, o irmão de Aida recebeu um telefonema.

Pediam-lhe que viesse buscar a pequena Christina, agora com seis anos. Tinha sido encontrada numa zona pobre de Mossul.

“O melhor dia da minha vida foi o dia em que Christina voltou para casa”, disse a mãe da menina à agência Reuters.

“Ela ficou três anos com os terroristas. Claro que já se esqueceu de quem é a mãe dela e o pai dela. Mas vai aprender”, continou.

Islamistas do Daesh raptaram milhares de cristãos iraquianos

Os jiadistas do autoproclamado Estado Islâmico já raptou milhares de homens, mulheres e crianças pertencentes às minorias que vivem no iraque.

Os cristãos que não quiseram ou que não conseguiram escapar a tempo receberam um ultimato: ou pagariam um imposto considerado como “de proteção” pelos islamistas, ou aceitariam uma conversão ao Islão ou seriam mortos. Mas alguns, como Christina, foram raptados.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Houthis reivindicam ataques a contratorpedeiro dos EUA e a dois navios petroleiros

Guerra na Ucrânia domina cimeira do G7 em Itália

Pelo menos 41 pessoas morrem em incêndio num edifício residencial no Kuwait