Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Londres quer “período de transição limitado” após saída da UE

Londres quer “período de transição limitado” após saída da UE
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Rumo à próxima ronda de negociações sobre a saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit) – já no final deste mês – o cenário de um “Brexit duro” parece ganhar consistência no seio de um Governo britânico mais alinhado.

O executivo precisará de um período de transição “limitado” entre a saída da União Europeia e a introdução de um novo acordo comercial bilateral para adaptar a economia às mudanças. Essa é a mensagem que consta de um texto conjunto dos ministros da Economia e do Comércio Internacional divulgado, este domingo, na imprensa britânica.

Philip Hammond e Liam Fox dizem também que o Reino Unido deixará por completo o Mercado Único e a União Aduaneira europeia assim que estiverem terminadas as negociações com Bruxelas para o divórcio, o que está previsto para 29 de março de 2019. A chamada fase de transição “limitada” surgiria a seguir.

Algumas figuras de destaque do Partido Trabalhista, como o antigo ministro dos Negócios Estrangeiros entre 2007 e 2010, David Miliband, também usaram a imprensa para denunciar uma gestão caótica do executivo conservador. Miliband defendeu ainda que o futuro do país “deveria ser decidido com um segundo voto aos termos da saída — ou através de um referendo ou pelo parlamento.”

Sem União Aduaneira e Mercado Único a questão da fronteira entre a Irlanda do Norte e a Irlanda é vital.

Um estudo revela que até antigos apoiantes da permanência do Reino Unido na União Europeia defendem que o “Brexit” deveria ser sinónimo do controlo total das fronteiras, deixando a jurisdição do Tribunal Europeu de Justiça.