EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Donald Trump elimina dois conselhos da Casa Branca

Donald Trump elimina dois conselhos da Casa Branca
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A medida do presidente dos Estados Unidos da América ocorre após sete dos conselheiros terem renunciado, esta semana, em protesto.

PUBLICIDADE

Donald Trump eliminou, esta quarta-feira, dois conselhos de assessoria de negócios da Casa Branca.

A medida do presidente dos Estados Unidos da América ocorre após sete dos conselheiros terem renunciado, esta semana, em protesto pela fraca reação de Trump aos episódios de violência que envolveram grupos racistas e neonazis, em Charlottesville, no estado da Virgínia.

No Twitter o presidente escreveu que “em vez de pressionar os empresários do Conselho de Fabricantes Norte-Americanos e os do Fórum de Estratégia e Política, acabo com ambos. Obrigado a todos!”.

Rather than putting pressure on the businesspeople of the Manufacturing Council & Strategy & Policy Forum, I am ending both. Thank you all!

— Donald J. Trump (@realDonaldTrump) August 16, 2017

Donald Trump está cada vez mais isolado, em especial após ter afirmado que entre os supremacistas brancos havia “boas pessoas” e que neonazis e manifestantes antirracistas eram igualmente culpados pela violência em Charlottesville.

São várias as personalidades que se insurgiram contra o presidente. Grande parte das críticas provém do seio do Partido Republicano.

Num comunicado, os dois antigos presidentes George Bush e George W. Bush lançaram um apelo aos Estados Unidos para “rejeitarem o racismo, o antissemitismo e o ódio sob todas as suas formas”

My grandfather who fought in WWII and his son—together today—wrote this. Let’s all teach our kids love. pic.twitter.com/0wtspk5Okx

— Jenna Bush Hager (@JennaBushHager) August 16, 2017

A condenação dos incidentes em Charlottesville ultrapassou fronteiras.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, afirmou que não vê paralelismo entre supremacistas brancos e manifestantes antirracistas.

Em Berlim, na Alemanha, centenas de pessoas reuniram-se para condenar a violência e a ideologia neonazi.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Biden apela à libertação de jornalistas no jantar dos correspondentes de imprensa

Mike Pence: "A maioria dos norte-americanos acredita no nosso papel de líderes do mundo livre"

Homem imolou-se no exterior do tribunal onde Donald Trump está a ser julgado