Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Eleições Gerais Angola2017: O que precisa de saber

Eleições Gerais Angola2017: O que precisa de saber
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Quase 10 milhões de eleitores são chamados esta quarta-feira a eleger um novo Parlamento e por conseguinte um novo Presidente para Angola. Líder do país desde 1979, José Eduardo dos Santos, que celebra 75 anos a 28 de agosto, anunciou em março do ano passado o afastamento da vida política ativa.

Sem visitar Portugal de forma oficial desde 2009 e as relações bilaterais algo fragilizadas por questões judiciais, o presidente angolano tem sido presença regular em Espanha nos últimos tempos, onde — diz-se, sem confirmação oficial — tem feito tratamentos a um problema de saúde não revelado à nação.

Após as Eleições Legislativas de 2008, denunciadas pela UNITA por alegadas irregularidades e ganhas de forma esmagadora pelo Movimento Popular de Libertação de Angola, com 82 por cento dos votos, o Governo eleito promoveu uma alteração na Constituição para mudar o processo eleitoral em Angola. Foi decretado que os angolanos voltariam às urnas em 2012 para a realização de Eleições Gerais.

O novo formato de sufrágio permite escolher a Assembleia Nacional, havendo 130 deputados eleitos pelo círculo nacional e mais cinco pelos círculos eleitorais de cada uma das 18 províncias do país, ou seja mais 90, num total de 220 assentos parlamentares.

O cabeça de lista do partido ou coligação mais votado passou a ser automaticamente eleito Presidente da República e chefe de Governo.

Com 10 partidos aceites para constar no boletim de voto, há cinco anos o MPLA voltou a ser o grande vencedor, com 71,84 por cento dos votos, e José Eduardo dos Santos foi reconduzido como Presidente.

Eleições Gerais de 2017: E agora?

João Lourenço é o designado pelo Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), o partido no poder desde a independência em 1975, para suceder a José Eduardo dos Santos, em caso de triunfo nestas segundas Eleições Gerais desde a mudança da Constituição em 2010.

O maior partido da oposição, a União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), vai contar com Isaías Samakuva, que em 2012 não foi além dos 18,66 por cento dos votos e contestou os resultados.

Para saber mais clique nesta imagem

A Convergência Ampla de Salvação de Angola – Coligação Eleitoral (CASA-CE), de Abel Chivukuvuku, foi a terceira mais votada em 2012 (6 por cento).

Na sondagem informal realizada pela euronews desde o dia 15 de agosto, através da rede social Facebook, a CASA-CE surge como a força política preferida dos nossos seguidores para estas eleições.

No total seis partidos concorrem nestas Eleições Gerais, com um candidato designado à presidência:

  • UNITA (Isaías Samakuva);
  • APN (Quintino Moreira);
  • PRS (Benedito Daniel);
  • MPLA (João Lourenço);
  • FNLA (Lucas Gonda);
  • CASA-CE (Abel Chivukuvuku).

As seis forças políticas receberam do governo 1040 milhões de kwanzas (5,5 milhões de euros), de modo equitativo, para financiamento das respetivas campanhas eleitorais.

Em maio, o Ministério da Administração do Território entregou à Comissão Eleitoral Nacional o Ficheiro Informático de Cidadãos Maiores, a listagem dos 9.317.294 eleitores registados para eleger uma nova Assembleia Nacional e um novo chefe de Estado e de Governo.