A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Os desafios da economia angolana

Os desafios da economia angolana
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Foram precisos quase 30 anos de Guerra Civil para Angola começar a pensar em crescimento económico e chegar aqui. Quinze anos depois, o diretor do Centro de Estudos e Investigação Científica, o economista Alves da Rocha, estimava um investimento de mais de 120 mil milhões de dólares em obras públicas, nesse período. O país tentava reerguer-se mas a alta dependência do petróleo acabaria por, 12 anos depois, minar o crescimento.

Os resultados excecionais de 2014 dão lugar a uma quebra em 2015, devido à crise do petróleo. O país acabou o ano de 2016 com uma recessão de 4 por cento. A quebra nas receitas do petróleo e o peso da petrolífera Sonangol, nas contas públicas, contribuíram, largamente, para esta situação.

Em sentido inverso, mas acompanhando a crise, a inflação anual atingia valores recorde em dezembro de 2016, 41,12 por cento, refletindo, e entre outros fatores, a desvalorização do kwanza.

Uma das pedras no sapato angolano é o aumento, exponencial, da dívida pública, é isso que pode minar o crescimento económico. Outra é a corrupção que atua, diretamente, sobre ele. A Transparency Internacional no último relatório, de janeiro, põe Angola entre os países onde existe mais corrupção. Rafael Marques tem sido uma das vozes a abordar a questão. O jornalista, faz denúncias através da sua página na internet, “Maka Angola”, e em publicações. Entre os casos que traz a lume está o da Sonangol. Marques afirma, citando “vários analistas” que a petrolífera angolana é, e entre outras coisas, a principal fonte de enriquecimento ilícito dos seus principais dirigentes.