Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Angola: Os desafios da eletrificação

Angola: Os desafios da eletrificação
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Com um território quase duas vezes mais extenso do que França, Angola é abundante em recursos. Tem petróleo, gás e diamantes. Um potencial económico único, sem contar com a riqueza da biodiversidade, que deveria, na prática, permitir diversificar as fontes de receita e desenvolver as infraestruturas.

O rio Kwanza, as quedas de água de Kalandula, os rios e cursos de água existem a perder de vista. O potencial hidroelétrico de Angola é um dos mais importantes em África. Atualmente são apenas explorados 4% destes recursos. Uma situação que as autoridades tentam remediar. A construção da barragem hidroelétrica de Laúca é uma das etapas emblemáticas deste gigantesco projeto.

Inaugurada há pouco mais de duas semanas, Laúca representa mais de 4 mil milhões de dólares de investimento para uma produção de 2070 megawatts em maio de 2018. É suficiente para alimentar uma cidade de pelo menos 8 milhões de habitantes e assim duplicar a capacidade energética do país no qual 65% da população continua a viver sem eletricidade.

No terreno, nove mil pessoas trabalham para assegurar a implementação atempada de seis turbinas. Os efeitos que a barragem está a ter no dia-a-dia da população em lugares como Dombo podem ver-se em primeira mão.

A próxima etapa é a da barragem de Caculo Cabaça, que deverá produzir 2100 megawatts suplementares em quatro anos. O rio Kwanza proporcionará recursos a sete barragens hidroelétricas para uma produção de 7450 megawatts.

O desafio maior continua a ser a distribuição da nova energia. Conseguir conectar a província de Malanje, onde se encontra a barragem de Laúca, no centro do país, com o principal mercado de Luanda, no oeste, representa uma operação logística com custos exorbitantes.

A capital angolana é um hub de seis milhões de habitantes, o pulmão económico do país. No entanto, a eletricidade é escassa. Uma realidade para a Empresa Nacional de Distribuição de Eletricidade, ENDE. O projeto de eletrificação do país traz inúmeros desafios e o abandono do diesel é uma necessidade.

“Um litro de diesel permite produzir três quilowatts por hora, mas acrescentando os custos de manutenção, a mudança de óleo, o óleo, bem como o investimento em equipamento, as pessoas que vão operar o grupo, tudo é demasiado caro. Está em marcha um projeto de conexão enorme. Trata-se de uma etapa importante para a transmissão de eletricidade. Para nós, o projeto de eletrificação é uma grande prioridade porque sem isso é muito difícil conseguirmos alcançar os nossos objetivos de desenvolvimento sustentável”, sublinha Francisco Talino, CEO da ENDE.

Em bairros inteiros de Luanda, os geradores movem-se a toda a velocidade. A dependência do diesel levou Fernando Miguel a deixar Kikuxi depois de nove anos e quase uma década de geradores obsoletos.

«É uma luta diária porque não há eletricidade. Existem bairros nos quais a situação é bem pior. Algumas pessoas não têm eletricidade há 15 ou 20 anos. (…)Esperamos que com a barragem de Laúca e com os outros projetos de eletrificação tenhamos finalmente eletricidade nos nossos bairros”, diz Fernando Miguel, antigo residente de Kikuxi,

Percebe-se que a capacidade de produção energética angolana não satisfaz a necessidade nacional. Uma necessidade que aumenta à medida que o país se está a desenvolver. Espera-se que o consumo médio per capita alcance os 1230 quilowatts por hora em 2025, comparando com os 375 quilowatts por hora em 2013. Mas para lá do consumidor médio, o acesso fiável a eletricidade é essencial para o bom funcionamento das empresas angolanas.

A Nova Cimangola é um exemplo. A cimenteira investiu 300 milhões de dólares para a produção de clínquer, a matéria que se usa para fabricar o cimento. As unidades da empresa funcionam 24 horas por dia.

“Durante um apagão, por cada minuto, a fábrica perde 500 dólares. Tentamos fazer arrancar os geradores o mais rápido possível quando isto ocorre para preservar o nosso equipamento. Anteriormente, na nossa primeira fábrica havia muitos cortes. Fazíamos os possíveis para que fosse funcional, mas era difícil. Atualmente, com os novos projetos que se estão a levar a cabo no país, pode dizer-se que a disponibilidade e a qualidade da eletricidade é satisfatória”, refere Paulo Pacavira, coordenador de projeto na Nova Cimangola.

O programa de eletrificação colocado em marcha pelo Governo ainda está a dar os primeiros passos mas é neste projeto que Angola deposita as esperanças para relançar a economia do país.