EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Tribunal Constitucional ilegaliza divórcio por "triplo talaq"

Tribunal Constitucional ilegaliza divórcio por "triplo talaq"
Direitos de autor 
De  Miguel Roque Dias com REUTERS, EFE, LUSA
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

do Movimento de Mulheres Indianas Muçulmanas, Zakia Soman. O Governo indiano tem agora seis meses para proceder aos trâmites necessários para alterar a lei.

PUBLICIDADE

O divórcio por “triplo talaq” é ilegal na Índia.

O Tribunal Constitucional do país declarou, esta terça-feira, que não está de acordo com a lei a prática que permitia aos homens muçulmanos divorciarem-se quase automaticamente.

A decisão dos cinco juízes, de diferentes credos, surgiu em resposta a petições de várias mulheres muçulmanas divorciadas pela prática do “triplo talaq”

#BREAKING | Supreme Court declares triple talaq unconstitutional, strikes it down by 3:2 majority https://t.co/3IyaTsYBmT#TripleTalaqpic.twitter.com/4M5tWaXwon

— Times of India (@timesofindia) August 22, 2017

“É um dia muito feliz, para nós. É um dia histórico. Não diria que termina aqui. De facto, deve ser retomada uma batalha adequada, mais longa, para a reforma social, para a capacitação, para a consciencialização, para a educação”, afirma a cofundadora do Movimento de Mulheres Indianas Muçulmanas, Zakia Soman.

O Governo indiano tem agora seis meses para proceder aos trâmites necessários para alterar a lei.

A prática do “triplo talaq” permite aos homens repudiarem e divorciarem-se das mulheres repetindo, três vezes, a palavra “talaq” ou divórcio em árabe.

As palavras não precisam ser proferidas presencialmente. Pode ser utilizado o telefone, mensagem de texto, skype ou, mesmo, as redes sociais.

Mais de 20 países, incluindo dos vizinhos Paquistão e Bangladesh, baniram a prática. Mas a mesma manteve-se na Índia sob a proteção de leis que permitem aos muçulmanos, cristãos e hindus seguir as suas leis religiosas em matérias como casamento, divórcio, heranças e adoção.

Mais de 170 milhões de muçulmanos na Índia são sunitas governados pela chamada “lei pessoal muçulmana”, fortemente influenciada pela lei islâmica (ou ‘sharia’), para questões familiares e disputas.

Com: Reuters, EFE, Lusa

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Gaza na memória dos muçulmanos por ocasião do Eid al-Fitr

Bélgica: Inaugurada a maior mesquita da Valónia

Ramadão começa sem cessar-fogo à vista em Gaza