Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

O concerto para violoncelo diabolicamente difícil de Esa-Pekka Salonen

O concerto para violoncelo diabolicamente difícil de Esa-Pekka Salonen
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

É um concerto para violoncelo diabolicamente difícil e cósmico. A tinta da última obra-prima do visionário compositor e maestro finlandês Esa-Pekka Salonen ainda mal secou mas o conteúdo já dá que falar.

No Festival de Helsínquia, Salonen pegou na batuta e conduziu o novo trabalho fascinante que assina. O violoncelista franco-alemão Nicolas Altstaedt proporcionou uma interpretação cativante na Ópera Nacional da Finlândia.

“O violoncelo é um instrumento fantástico para se escrever uma peça por causa da extensão de expressões, da dinâmica, da qualidade humana do som. Muitas pessoas, ao ouvirem mesmo uma nota de violoncelo, sentem-se como se alguém lhes estivesse a falar. Uso metáforas da natureza. Faço esta espécie de formações em nuvem. Metaforicamente falando pode dizer-se que são como nuvens cúmulus que viajam pelo céu”, disse, em entrevista à Euronews, o compositor e maestro finlandês.

Salonen também introduziu um elemento eletrónico. Ao gravar em tempo real notas para violoncelo e depois reproduzi-las cria-se uma camada a partir da qual o instrumento entra num diálogo com ele mesmo.

“Ouve-se o primeiro compasso, a forma como foi tocado e pensa-se: Sou mesmo eu? Como o som do violoncelo é reproduzido podemos jogar com isso, inspirar-nos no nosso próprio eco e tornar tudo realmente intenso”, sublinha o violoncelista Nicolas Altstaedt.

Es-Pekka Salonen acrescenta: “Quando ouço a minha música a ser tocada aprendo sobre a minha própria peça. Ouço nuances, expressões, barras, narrativas que são na realidade algo que não tinha pensado mas que me apraz ouvir.”

Na última obra-prima da sua autoria Salonen empurra o violoncelista para lá dos limites do que parece ser possível.

“A melhor coisa dele enquanto ser musical é que confia nas pessoas e concede-nos bastante liberdade. Poder trabalhar com o compositor em pessoa na obra-prima que criou é algo único e um privilégio ao mesmo tempo”, refere Nicolas Altstaedt.

Salonen, por outro lado, sublinha: “Compor é muito central na minha vida íntima. Não há uma só hora na minha vida em que não pense em algo relacionado com a composição. Mesmo quando estou a conduzir uma orquestra penso: aquela solução é fantástica. Tenho de lembrar-me. Aquela combinação de instrumentos é fabulosa, tenho de tomar nota. Para mim, esta mente compositora sempre desperta garante-me a aprendizagem de coisas novas.”

O Festival de Helsínquia termina a 3 de setembro.