EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Piratas informáticos podem usar fotos das nossas impressões digitais para roubar dinheiro e dados?

Roubo de impressões digitais
Roubo de impressões digitais Direitos de autor Canva
Direitos de autor Canva
De  James Thomas
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Novo vídeo nas redes sociais alerta para eventuais utilizações perigosas de fotografias que mostrem impressões digitais. Saiba o que dizem os especialistas.

PUBLICIDADE

O icónico sinal do dedo em V, normalmente utilizado para representar a paz, é muitas vezes utilizado quando as pessoas posam para fotografias.

No entanto, um vídeo que está a ser amplamente partilhado no WhatsApp e noutras redes sociais avisa as pessoas para evitarem o gesto.

O vídeo afirma que burlões podem utilizar as fotografias para tirar cópias de alta qualidade das impressões digitais, que depois utilizam para entrar nos telemóveis e nas contas das pessoas e roubar-lhes o dinheiro e dados.

Mas até que ponto estas alegações são fundamentadas? Em termos simples, é tecnicamente possível, mas muito improvável na prática.

Os piratas informáticos poderiam, em teoria, extrair cópias das nossas impressões digitais das selfies que publicamos online, mas apenas em condições muito específicas, de acordo com Sarah Morris, professora de ciências forenses digitais na Universidade de Southampton.

"Estamos a falar da iluminação certa, da câmara certa, da resolução certa, do ângulo certo do dedo, da proximidade certa do dedo em relação à câmara", disse ao The Cube. "Estamos a falar de condições muito específicas para que isso funcione", explica.

"Com a maioria dos telemóveis, obter esse nível de resolução segurando a mão quando se está bastante afastado da câmara vai ser muito, muito difícil", acrescenta ainda.

Frank Breitinger, professor associado de ciência forense digital e investigação na Universidade de Lausanne, chegou a uma conclusão semelhante.

"É possível obter informações sensíveis a partir de fotografias de boa qualidade, mas é difícil", afirmou. "Mesmo que tenhamos os dados, a reutilização destes dados é ainda mais difícil".

O especialista salientou que muitas plataformas de redes sociais também reduzem a qualidade das fotografias e dos vídeos quando estes ficam online, o que funciona como um escudo adicional que pode ajudar a impedir que os nossos dados sejam roubados.

Não importa a qualidade do equipamento e da tecnologia do potencial hacker; se os dados de origem não tiverem detalhes suficientes, o algoritmo não conseguirá captar informações suficientes para fazer cópias exatas das nossas impressões digitais.

Mesmo numa situação em que as condições fossem perfeitas para um burlão, continua a ser muito improvável que ele tivesse o poder de extrair os dados biométricos das nossas fotografias, pelo menos por enquanto.

Seria provável que utilizassem uma plataforma de software, potencialmente com tecnologia baseada em IA.

"Tanto quanto sei, não se trata de um software comum", disse Morris. "Não é certamente algo com que me tenha deparado enquanto profissional e seria difícil de obter, seria feito à medida neste momento".

Independentemente disso, é importante estar atento aos potenciais perigos que existem quando publicamos conteúdos online, especialmente com a rápida evolução do panorama da IA.

Para sermos justos com o vídeo que circula no WhatsApp, ele sugere precauções que podemos tomar para evitar sermos vítimas de piratas informáticos online, como evitar mostrar claramente as pontas dos dedos nas fotografias e utilizar filtros para desfocar quaisquer áreas ou informações sensíveis.

No entanto, Morris afirma que isso não é inteiramente necessário neste momento, porque a tecnologia para extrair os nossos dados biométricos simplesmente não está disponível.

Os dados biométricos são normalmente armazenados localmente, por exemplo, no telemóvel, pelo que os piratas informáticos precisariam normalmente de aceder ao dispositivo físico para obter acesso.

PUBLICIDADE

"Mesmo que se tenha uma impressão digital, não basta tirar uma fotografia e enviá-la para um banco", afirma Breitinger. "Ainda é preciso fazer muito mais".

"Vamos supor que querem entrar no meu telemóvel, que está protegido com a minha impressão digital: ainda precisam do meu telemóvel", acrescentou, explicando que os piratas informáticos teriam de replicar fisicamente a imagem em algo que pudesse ser colocado no dedo.

"A maior parte dos sensores é suficientemente boa para detetar se algo está morto", acrescentou.

Por uma questão de cibersegurança, os especialistas sugerem que se tenha em atenção os fundos e as informações que se podem partilhar acidentalmente nas fotografias.

Morris afirmou que as informações de fonte aberta, em que as pessoas podem olhar para as fotografias e deduzir onde se está e o que se está a fazer a partir de esquemas específicos de ruas, livros ou cartazes em segundo plano, são uma forma muito mais fácil e predominante de terem acesso aos seus dados.

PUBLICIDADE

"Também dão pistas sobre o tipo de coisas de que gosta e que podem ajudar a obter perguntas memoráveis para entrar nas contas e adivinhar as suas palavras-passe", afirmou.

De acordo com Breitinger, é também uma boa ideia ter mais cuidado ao partilhar grandes planos dos seus olhos ou ao utilizar software de reconhecimento facial ou de voz, em vez de se preocupar com as impressões digitais.

"As impressões digitais continuam a ser uma das características biométricas em que mais confio", afirmou. "Preocupar-me-ia mais com deepfakes ou com alguém que capturasse a minha voz do que com alguém que roubasse a minha impressão digital".

O especialista sugere ainda que se evite partilhar fotografias de alta qualidade da íris online e que se utilize sempre a autenticação de dois factores para proteger as contas e os dados.

Resumindo, é provável que esteja seguro para continuar a espalhar a paz e a vitória nas suas selfies.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

RaidForums: O hacker menor que pode ser extraditado para os EUA

Cibercriminosos usam menores para realizar ataques informáticos

Operação Overload: Rússia está a inundar redações com conteúdos falsos para sobrecarregar os jornalistas