Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Moscovo protesta contra buscas em consulados russos nos EUA

Moscovo protesta contra buscas em consulados russos nos EUA
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

As autoridades norte-americanas realizaram este sábado buscas nas instalações da missão diplomática russa em São Francisco, Nova York e Washington, provocando a reação indignada de Moscovo, que acusou os Estados Unidos de violarem o direito internacional.

Sete meses depois da chegada ao poder de Donald Trump, as relações entre os dois países permanecem num impasse.

A diplomacia russa já tinha denunciado na sexta-feira as buscas em Washington e em instalações consulares em São Francisco, encerradas pelo Departamento de Estado norte-americano.

Segundo o Departamento de Estado, estas “inspeções” foram realizadas na presença de responsáveis russos e tinham por objetivo assegurar que os diplomatas russos tinham abandonado os edifícios. Washington afirma ter respeitado as convenções internacionais e rejeita as acusações de Moscovo, segundo as quais responsáveis americanos teriam ameaçado derrubar a porta de entrada.

O ministério russo dos Negócios Estrangeiros convocou no sábado o número 2 da embaixada dos Estados Unidos em Moscovo, Anthony Godfrey, a quem entregou uma nota de protesto na qual exige que as autoridades americanas parem com as “violações flagrantes do direito internacional” e se abstenham de “infringir a imunidade das instituições diplomáticas russas”.

Estas buscas e “a ameaça de derrubar a porta” constituem “um ato de agressão sem precedentes, que poderia ser utilizado pelos serviços de segurança americanos para organizar uma provocação contra a Rússia com recurso à colocação de objetos comprometedores” nesses locais, alerta a diplomacia russa.

A decisão norte-americana de encerrar o consulado-geral russo em São Francisco e as secções consulares em Washington e Nova Iorque, surge como retaliação, depois de Vladimir Putin ter expulsado mais de 750 diplomatas norte-americanos da Rússia, no final de julho, em resposta às sanções económicas aprovadas pelo Congresso norte-americano.