Gates considera que com Pyongyang a diplomacia tem de vir primeiro

Gates considera que com Pyongyang a diplomacia tem de vir primeiro
De  Luis Guita
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Num exclusivo para a Euronews, o ex-secretário da Defesa dos Estados Unidos, Robert Gates, perspetiva as possíveis respostas de Washington a Pyongyang.

PUBLICIDADE

O Conselho de Segurança da ONU condenou o mais recente lançamento de um de míssil balístico pela Coreia do Norte e volta a reunir-se na quinta-feira.

Por seu lado, o líder norte-coreano, Kim Jong-Un, diz que o objetivo de Pyongyang é ficar em pé de igualdade com os Estados Unidos e acalmar a beligerância norte americana.

Entretanto, a China continua a pedir aos EUA que se abstenham de fazer mais ameaças à Coreia do Norte.

Num exclusivo para a Euronews, o ex-secretário da Defesa dos Estados Unidos, Robert Gates, perspetiva as possíveis respostas de Washington a Pyongyang: “Se a Coreia do Norte lançar um desses mísseis e atingir um aliado da América – Coreia do Sul ou Japão – ou o território norte americano Guam ou outro lugar, quase de certeza haverá uma resposta militar a isso”.

A China opôs-se ao lançamento do míssil, mas também exortou os Estados Unidos a mudarem de tática em relação à Coreia do Norte.

Robert Gates revela como pode vir a funcionar o jogo diplomático entre Washington e Pyongyang: “Uma opção que os Estados Unidos têm, antes de mais, é colocar sobre a mesa um conjunto significativo de propostas diplomáticas, juntamente com uma declaração das ações militares que podem ser tomadas se não houver solução política para o problema. Portanto, uma solução política envolve talvez reconhecimento, levantamento de sanções, assinatura de um tratado de paz “.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rússia veta resolução do Conselho de Segurança da ONU sobre a Coreia do Norte

Putin viola as sanções da ONU ao oferecer uma limusina de luxo a Kim Jong-un

Coreia do Norte testou drone marítimo com armas nucleares em resposta a exercícios dos EUA e aliados