Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Irão reage à desestabilização americana do acordo nuclear

Irão reage à desestabilização americana do acordo nuclear
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Uma “perda de tempo” com um país que “vai ridicularizar os compromissos internacionais que tem”.

Foi assim, ante a Assembleia-Geral das Nações Unidas, que o presidente do Irão, Hassan Rouhani, excluiu, esta quarta-feira, a hipótese de uma nova discussão com os Estados Unidos sobre o acordo nuclear alcançado em 2015.
A vontade de cumprir o acordo mantém-se, diz Rouhani, mas uma violação terá resposta:

“Declaro aqui, frente a esta Assembleia, que a República Islâmica do Irão não será o primeiro país a violar o acordo, mas responderá decisiva e resolutamente à sua violação por qualquer uma das partes.”

À mesma Assembleia, Donald Trump disse que o acordo nuclear com o Irão era o pior em que os Estados Unidos tinham entrado, classificando-o como “vergonhoso”.
Suspender em decisões individuais os acordos multilaterais parece ser a tática: esta quarta-feira Trump anunciou ter tomado uma decisão sobre ficar ou retirar os EUA do acordo, mas recusou dizer qual seria essa decisão.

As outras partes do acordo, como a França, têm posição própria, como deixou claro Emmanuel Macron ante a mesma Assembleia e aos jornalistas: “Quanto a mim, o que há a fazer é manter o acordo de 2015 porque era um bom acordo com forte monitorização da situação actual.”

Um “erro grave” e “irresponsável” a denúncia do acordo sem proposta alternativa, disse ainda Macron na Assembleia-Geral.

Trump tem de dizer ao Congresso americano, a 15 de outubro, se o Irão cumpre ou não o acordo, apesar da monitorização da Agência Internacional da Energia Atómica. Se a resposta for negativa, ao contrário do que aconteceu nas duas audiências prévias sobre o tema, o Congresso decidirá, em 60 dias, se volta às sanções levantadas aquando da assinatura do acordo.

Não se sabe o que decidirá o Irão, mas Rouhani relembrou a capacidade de relançar os reatores até atingir o nível alcançado e abandonado em 2015.