Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Cimenteira Lafarge admite pagamentos a extremistas

Cimenteira Lafarge admite pagamentos a extremistas
Tamanho do texto Aa Aa

A cimenteira francesa Lafarge admitiu ter pago cerca de 20 mil euros, por mês, ao grupo Estado Islâmico, desde junho de 2013, e a outras organizações armadas, para manter em funcionamento a fábrica de Jalabiya, na Síria, em plena guerra. Informação avançada pelo jornal francês Le Monde e pela revista Le Canard Enchaîné.

A justiça francesa, referem, abriu uma investigação, em outubro, e ouviu diretores de filiais da empresa no país. O financiamento acontecia através de falsificação de documentos de contabilidade. Situação que terá sido encoberta por Bruno Lafont, presidente do grupo, na altura, e atual responsável de operações e membro da direção.

As autoridades francesas terão autorizado a empresa a continuar a operar no país, entre 2011 e 2014, apesar dos riscos que decorriam do confronto armado que estava em curso, escrevem os órgãos de comunicação franceses.

Em 2012 os funcionários estrangeiros terão regressado a casa, mas o grupo ter-se-á mantido na Síria, com trabalhadores locais, a pensar no fim da guerra e na necessidade de reconstrução do país.

Com o aumento das exigências por parte dos grupos extremistas, Firas Tlass, filho de um ex-ministro da Defesa sírio, passou a negociar com os terroristas. Recebia entre 80 a 100 mil dólares, por mês.

No final de 2012 nove ex-empregados da fábrica foram sequestrados. A Lafarge pagou às milícias locais, pela sua libertação, o equivalente a 200 mil euros.