Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Referendo pode resultar em sanções contra o Curdistão

Referendo pode resultar em sanções contra o Curdistão
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O Conselho Supremo do Curdistão iraquiano para o referendo insiste em manter a consulta de autodeterminação prevista para a próxima segunda-feira, apesar da oposição da Organização das Nações Unidas e dos países vizinhos.


A Turquia, o Irão e o Iraque consideram impor sanções caso os líderes curdos insistam na realização do escrutínio.

“Sem mais demoras, vamos discutir em detalhe o tipo de sanções que irão ser impostas. Não seria correto revelá-las agora mas iremos discutir no Conselho de Segurança Nacional e nas reuniões do gabinete quando é que essas sanções irão ser impostas e qual será o caminho a seguir”, afirma o presidente turco Recep tayyip Erdogan.


O primeiro-ministro iraquiano, Haider al-Abadi, opõe-se ao escrutínio e já referiu estar disposto a intervir militarmente caso resulte em violência.

A ONU, os Estados Unidos da América, a Alemanha, a França e o Reino Unido, entre outros, já se pronunciaram contra o referendo.

O Presidente curdo, Massoud Barzani, cujo mandato expirou em 2015, tem insistido que a independência é a única escolha deixada aos curdos na ausência de diálogo com Bagdade.

O Curdistão beneficia de uma autonomia desde 1991, que se tem alargado ao longo dos anos.