Última hora

Referendo pode resultar em sanções contra o Curdistão

Referendo pode resultar em sanções contra o Curdistão
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O Conselho Supremo do Curdistão iraquiano para o referendo insiste em manter a consulta de autodeterminação prevista para a próxima segunda-feira, apesar da oposição da Organização das Nações Unidas e dos países vizinhos.


A Turquia, o Irão e o Iraque consideram impor sanções caso os líderes curdos insistam na realização do escrutínio.

“Sem mais demoras, vamos discutir em detalhe o tipo de sanções que irão ser impostas. Não seria correto revelá-las agora mas iremos discutir no Conselho de Segurança Nacional e nas reuniões do gabinete quando é que essas sanções irão ser impostas e qual será o caminho a seguir”, afirma o presidente turco Recep tayyip Erdogan.


O primeiro-ministro iraquiano, Haider al-Abadi, opõe-se ao escrutínio e já referiu estar disposto a intervir militarmente caso resulte em violência.

A ONU, os Estados Unidos da América, a Alemanha, a França e o Reino Unido, entre outros, já se pronunciaram contra o referendo.

O Presidente curdo, Massoud Barzani, cujo mandato expirou em 2015, tem insistido que a independência é a única escolha deixada aos curdos na ausência de diálogo com Bagdade.

O Curdistão beneficia de uma autonomia desde 1991, que se tem alargado ao longo dos anos.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.