Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Parlamento aprova extensão de mandato para operações na Síria e no Iraque

Parlamento aprova extensão de mandato para operações na Síria e no Iraque
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O parlamento turco votou este sábado o prolongamento da mandato que permite ao exército de Ancara intervir nos territórios da Síria e do Iraque, quando faltam dois dias para a realização de um referendo relativo à independência do Curdistão iraquiano.

A validade da missão militar terminava a 30 de outubro, mas foi renovada por mais um ano. O voto foi levado a cabo ao longo de uma sessão parlamentar extraordinária, transmitida em direto pela televisão.






Para a Turquia, um Curdistão independente, criado a partir do desmembramento de território do Iraque, constitui uma “ameaça séria” para a segurança interna do país. Ancara considera as intenções curdas como parte de um grupo de projetos “separatistas ilegítimos”.

Durante o debate, foram referidas as milícias curdas do YPG, presentes no norte da Síria e apoiadas por Washignton no combate aos jiadistas do autoproclamado Estado Islâmico ou Daesh, que, para Ancara, tal como o Daesh, são “terroristas”.

Governo turco insiste: um Curdistão independente representa “ameaça séria”

Antes da votação, Nurettin Canikli, ministro turco da Defesa, avisou que o referendo seria pura e simplesmente considerado como “nulo” pela Turquia, insistindo em que a iniciativa “representa uma séria ameaça para a segurança nacional”.

Graças à missão militar ainda em vigor, o exército turco levou a cabo uma ofensiva em agosto do ano passado, atacando tanto os jiadistas do Daesh como as milícias curdas do YPG.

A Turquia deseja livrar-se da violenta rebelião separatista curda no seu próprio território, onde vivem cerca de 15 milhões de curdos.

Ancara avisou que, se o referendo tiver lugar, haverá consequências de natureza política, diplomática e económica, segundo palavras do primeiro-ministro Binali Yildirim.

A Turquia levou a cabo, nos últimos meses, um conjunto de contactos diploáticos com o Irão e o Iraque, países com os quais tem relações, no mínimo, sensíveis, mas que também se opõem à realização de um referendo no Curdistão iraquiano.

Com Reuters e AFP