EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

AFD "implode" após tornar-se o terceiro partido alemão

AFD "implode" após tornar-se o terceiro partido alemão
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
PUBLICIDADE

A festa foi curta para o partido eurocético e xenófobo AFD que revela as divisões internas menos de 24 horas após tornar-se a terceira força política alemã.

A co-presidente do Alternativa para a Alemanha, Frauke Petry surpreendeu a formação ao anunciar esta manhã que não vai ocupar o seu lugar na nova bancada do partido no parlamento.

Uma surpresa patente na expressão do porta-voz do AFD, Christian Luth, durante o anúncio de Petry, que se tornou “viral” nas redes sociais.

Erstes Highlight des Tages: der Blick von @christianlueth#afd#BTW17pic.twitter.com/8WUkoTRb0W

— Julian Heissler (@pjheissler) September 25, 2017

Apontada como uma “moderada”, Petry, que tinha sido eleita pelo estado da Saxónia, justificou a decisão evocando divergências com a ala mais radical.

Classificando o partido como “anárquico” durante a campanha, Petry afirmou preferir manter-se fora do parlamento para cumprir, segundo ela, “o objetivo de chegar ao governo”.

“Depois de uma cuidadosa avaliação decidi que não vou sentar-me no grupo parlamentar do meu partido”, declarou Petry que abandonou a sala pouco depois sem responder a perguntas.

Uma decisão que, para o analista político Peter Marschall, da Universidade de Duesseldorf, pode encerrar uma estratégia face à dificuldade de Angela Merkel poder formar uma coligação tripartida com ecologistas e liberais:

“A ‘coligação Jamaica’ é a única opção para formar um governo de coligação. E neste aspeto não há outra alternativa. A alternativa seria a convocação de eleições antecipadas mesmo que os principais partidos no parlamento não tenham qualquer interesse em repetir o sufrágio temendo que a AFD pudesse sair vitoriosa de uma nova eleição”, afirma Marschall.

O partido, que obteve 12,6% dos votos no sufrágio de Domingo, tenta agora relativizar as divisões, quando promete ser uma “oposição construtiva”.

A formação onde vários membros não escondem a sua simpatia pelo nazismo ou o seu ódio face aos estrangeiros anunciou que a sua primeira proposta no parlamento será a abertura de uma comissão de inquérito à gestão da crise dos refugiados durante o anterior mandato de Angela Merkel.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

NATO lança centro de comando da Ucrânia na Alemanha

Alemanha "preocupada" com resultados das eleições francesas apesar da derrota da extrema-direita

Euro 2024: Elefante Bubi prevê vitória da Alemanha contra a Dinamarca