Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Rei de Espanha aponta o dedo a independentistas catalães

Rei de Espanha aponta o dedo a independentistas catalães
Tamanho do texto Aa Aa

O discurso do Rei Felipe VI depois do referendo da Catalunha a fazer primeiras páginas a expor e aumentar o sismo político em Espanha.

“Deslealdade inadmissível” do governo catalão, acusou o monarca, enquanto urgia à restauração da constitucionalidade ultrapassada pelo referendo. Não fez alusão aos cerca de 900 feridos na repressão do plebiscito:

“Fomos todos testemunhas dos acontecimentos que tiveram lugar na Catalunha, com o objetivo último do governo catalão de declarar ilegalmente a independência da Catalunha. (…) procuraram estilhaçar a unidade de Espanha e a soberania nacional.”

O presidente da região autónoma que referendou a independência sob forte presença e actuação da polícia nacional ignora agora Moncloa e Zarzuela e extrema a posição. À BBC, Carles Puigdemont disse que a independência será declarada:

“Nós vamos declarar independência 48 horas depois do resultado da recontagem que estamos a fazer se tornar oficial.”

Quando será isso? Puigdemont responde:

“Isto provavelmente acaba quando tivermos os resultados exteriores a Espanha, no final desta semana. Portanto, falamos deste fim de semana ou início da próxima semana.”

O executivo do parlamento regional catalão reuniu esta quarta-feira e segunda que vem foi o dia escolhido para que a Catalunha declare politicamente a independência de Espanha.

Com a Candidatura de Unidade Nacional, pró-independentista, a preponderar na força parlamentar regional, Puigdemont segue a via política de capitalizar o fosso que a tática violenta de Mariano Rajoy acentuou e que o discurso do Rei não apaziguou.