Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Uma catalã pela Espanha unida

Uma catalã pela Espanha unida
Tamanho do texto Aa Aa

Olga Demestres tem 47 anos e trabalha no ramo imobiliário.

Nasceu e viveu em Barcelona até aos 26 anos, passou depois por Londres de onde saiu em 2006, para Madrid.

Olga não crê que a decisão de independência se possa ater à geografia catalã. Na passagem de geração, não abdica da cultura em que cresceu, parte da sua identidade. Afinal, é casada com um madrileno e têm um filho de sete anos:

“Falo com o meu filho em catalão, é a minha língua, falo com a minha família em catalão e isso é uma riqueza, a cultura não é propriedade exclusiva dos independentistas. Os que se sentem catalães e espanhóis têm o direito de falar catalão, dançar sardana ou o que seja da cultura catalã.”

Olga regressa agora à Catalunha, num autocarro fretado pela Sociedade Civil Catalã. São mais de 1200 quilómetros, ida e volta, mas Olga quer estar na manifestação pró-unidade em Barcelona, de que soube pela rede social whatsapp.

A tensão política que se extremou nos últimos tempos entre Madrid e Barcelona preocupa-a.

Tem duas irmãs pró-independentismo, o irmão e os pais defendem o contrário. Deixaram de discutir o tema.

Já na manifestação, tudo o que Olga espera é que não haja violência. Os seus medos estão afastados:

“A verdade é que estou muito contente, muito contente de ver tanto apoio que eu sabia existir mas vê-lo aqui ao vivo, todos juntos, a verdade é que é emocionante.” 1.11

Para Olga, a visibilidade dos catalães que são pela unidade nacional é o maior trunfo desta manifestação, depois de ter sido a palavra independência a mais ouvida publicamente nos últimos tempos:

“Acredito que se está a dar a volta à situação, começa a ver-se gente que ainda não foi ouvida e que saiu pela primeira vez à rua, falei com muita gente que me disse que até aqui não se tinham atrevido a sair.“1.38

A manifestação terminou e Olga regressa de onde nasceu ao lugar a que chama casa.

Mais nove horas de autocarro parecem não lhe tirar a satisfação de ter marcado presença em Barcelona para dar voz às suas convicções.